Fábio Gonçalves/Agência O Dia
Fábio Gonçalves/Agência O Dia

Polícia diz haver indício de que serial killer do Rio matou sete pessoas

Segundo delegado, foram quatro mortes por encomenda e duas 'por prazer', além do assassinato de um menino de dois anos

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

12 Dezembro 2014 | 13h03

RIO - Os policiais da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) procuram por testemunhas que possam dar informações sobre as 43 mortes que Saílson José das Graças, de 26 anos, afirmou ter cometido nos últimos nove anos. A Polícia Civil afirmou na manhã desta sexta-feira, 12, já haver indícios de pelo menos sete casos: quatro teriam sido por encomenda (três homens e uma mulher), outros dois "por prazer" (de duas mulheres), além de um menino de dois anos - o único assassinato do qual ele disse se arrepender.

Segundo o delegado-assistente da DHBF, Marcelo Machado, em novo depoimento Saílson falou sobre uma mulher que sobreviveu. Ele teria tentado enforcar a vítima três vezes, mas, como ela ainda resistia, desistiu.

Ao divulgar o fato à imprensa, o delegado afirmou esperar que ela compareça à delegacia, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, para informar mais detalhes sobre a tentativa de assassinato. A polícia segue tentando confirmar se Saílson matou a quantidade de pessoas que relatou.

Nesta quinta-feira, 11, uma mulher que contou ter sobrevivido em 2012 a um ataque de Saílson foi à delegacia. Cíntia Ramos Messias é filha de José Messias, que foi preso em flagrante com Saílson na terça-feira, 9, pelo assassinato de uma mulher - foi após essa prisão que o homem afirmou ter cometido os 43 assassinatos.

Cíntia disse aos policiais que teve a morte encomendada pelo pai e pela ex-esposa, Cleusa Balbina, que morava com Saílson e José e que também foi presa na terça-feira.

Exibindo cicatrizes das facadas que levou, a vítima afirmou que José e Cleusa encomendaram sua morte para ficar com a guarda de sua filha. "Ele (Saílson)  colocou a faca nas minhas costas, na porta de casa. Me levou para um terreno baldio e me deu facadas no peito. Fiquei de 5h30 até 7h lá até alguém me achar e chamar o socorro", disse.

O homem deve ser transferido ainda nesta sexta-feira para um presídio. A transferência seria pela manhã, mas os policiais quiseram manter Saílson na delegacia para colher mais depoimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.