Divulgação/PCERJ
Divulgação/PCERJ

Polícia do Rio de Janeiro prende traficante em ação na região da Praça Seca

Ex-miliciano, Hélio Albino Filho, o Lica se aliara à facção Comando Vermelho, que comanda o tráfico na área

Renata Agostini, O Estado de S.Paulo

20 Maio 2018 | 16h18

RIO - Em mais uma ação no entorno da Praça Seca, na zona oeste do Rio, forças policiais prenderam neste domingo, 20, Hélio Albino Filho, conhecido como Lica. Ele é apontado como um dos traficantes da região, conflagrada há meses por uma disputa sangrenta entre tráfico e milícia.

Ex-miliciano, Lica se aliara à facção Comando Vermelho, que comanda o tráfico na Praça Seca, segundo informações fornecidas pela Polícia Civil do Rio. A corporação atuou no caso em parceria com a Polícia Federal.

O acusado estava escondido em uma casa no bairro de Sulacap, vizinho à Praça Seca. Os agentes monitoravam o local, e ele foi preso assim que deixou a casa, de acordo com a Polícia Civil. Havia três mandados de prisão pendentes contra Lica.

No sábado, um dos supostos líderes do tráfico na Praça Seca, Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, foi morto no Lins, na zona norte, após fugir de operações promovidas pelo Exército e pelas polícias fluminenses em comunidades da Praça Seca. Outros seis suspeitos também foram mortos, e 19 supostos criminosos, presos.

+ Caso Marielle joga luz sobre milícia em alta

Em nota, a Polícia Civil do Rio afirmou que a prisão de Lica somada à morte de Da Russa “representa um grande prejuízo para a facção criminosa que comanda o tráfico naquela região”.

Segundo o coronel Carlos Frederico Cinelli, porta-voz do Comando Militar do Leste, a ação que resultou na prisão de Lica está integrada à operação de sábado, realizada por Exército e pelas polícias Militar e Civil. Ele não deu detalhes, porém, da ligação entre as ações. A área de segurança do Rio está sob intervenção federal desde fevereiro.

A operação de sábado teve como objetivo a “estabilização” da região, com medidas como a retirada de barricadas, de acordo com Cinelli. A maior parte do efetivo já deixou a área.

+ Operações do Exército e da polícia deixam 7 mortos no Rio

“Agora entramos na fase de manutenção da estabilidade, com patrulhas dinâmicas e pontos de bloqueio de vias com itinerários e locais inopinados”, afirmou Cinelli. “Tudo isso complementando o trabalho da Polícia Militar, enquanto ela está sendo recapacitada”.

Apreensão. De acordo com a Polícia Civil, na ação que resultou na prisão de Lica, os agentes encontraram: duas pistolas Glock, uma delas com kit rajada; 297 munições calibre 45; 45 munições calibre 40; uma de calibre 556; além de R$23.900 e um Ford Ecosport, ano 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.