Polícia do Rio mata 582 no ano, 39,9% mais que em 2013

Quase 5 mil pessoas foram assassinadas no Estado em 2014. Houve 13,5 homicídios dolosos (intencionais) por dia

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2015 | 23h30

RIO - O número de pessoas mortas pela polícia no Estado do Rio cresceu 39,9% entre 2013 e 2014, apontam dados oficiais divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Foram 166 mortes a mais. 

Registrados como “homicídios decorrentes de intervenção policial”, houve 582 casos em 2014 no Estado e 416 em 2013. Dezesseis policiais militares morreram em serviço no ano passado, mesmo número de 2013. Em 2014, não houve registro de policiais civis mortos durante o trabalho. Em 2013, foram quatro.

Quase 5 mil pessoas (4.939) foram assassinadas no Rio de Janeiro em 2014. Foram 13,5 homicídios dolosos (com intenção de matar) por dia – um aumento de 194 assassinatos (4%) em comparação com os 4.745 de 2013. Os casos de latrocínio (roubo seguido de morte) chegaram a 153 no ano passado – um a cada dois dias e meio. Em 2013, foram 148.

O aumento do número de assassinatos foi menor do que o registrado entre 2012 e 2013, período em que os casos de homicídios cresceram 16,3%. O ano de 2013 interrompeu a queda do número de pessoas assassinadas registrada em 2010, 2011 e 2012. No casos das pessoas mortas por policiais, o número vinha caindo desde 2008, ficou praticamente o mesmo em 2013 (três casos a menos que em 2012) e teve grande aumento no ano passado. 

Os roubos a transeuntes cresceram 32,9% em um ano e chegaram a 80.558 registros em 2014, 19.940 a mais que os 60.618 do ano anterior. Houve grande aumento de roubos de telefone celular, que cresceram 42,2%. Foram 7.772 casos em 2013. 

Roubos. De dez tipos de roubos listados nas estatísticas oficiais, três diminuíram: a residência (menos 12,5%), de caixa eletrônico (menos 12%) e casos em que a vítima é obrigada a sacar dinheiro do banco (menos 21,2%). A Secretaria de Segurança não comentou os resultados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.