Polícia fará vistoria em centro de controle da Supervia

Trem em teste não conseguiu voltar para a linha em que trafegava; 8 morreram e 101 ficaram feridos

Clarissa Thomé, do Estadão,

01 Setembro 2007 | 12h50

Policiais da 58.ª Delegacia de Polícia (Nova Iguaçu) farão vistoria no Centro de Controle de Operações da Supervia no domingo, 2. A intenção do delegado Fábio Pacífico é esclarecer a informação de que o trem que estava em teste invadiu a linha da composição de passageiros porque precisava ultrapassar um vagão de manutenção que estava nos trilhos. O trem em teste não conseguiu voltar a tempo para a linha em que trafegava e acabou abalroado pelo trem de passageiros. O acidente deixou oito mortos e 101 feridos.   Para o engenheiro de transportes Fernando Macdowell, consultor do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea), está claro que houve um erro de cálculo do Centro de Controle de Operações. "Quando os trens partem, todas as possibilidades têm de ser levadas em consideração. Até o de um deles quebrar na pista. A outra composição tem que ter margem de segurança para parar a tempo de evitar um acidente. Se o trem em testes estava voltando para o trilho é porque os controladores acreditavam que daria tempo. Ou seja, o cálculo não estava correto", afirmou o especialista, que foi o responsável pela implantação do metrô no Rio.   Macdowell ressaltou que nada pode ser feito de improviso na linha férrea. Nem mesmo um reparo de emergência. "Vamos exagerar: se fosse necessário fazer um conserto nos trilhos para evitar o descarrilamento do trem, ainda assim é preferível parar a linha toda".   Cerca de 300 pessoas acompanharam no início da manhã o enterro do estudante Renan Pedrosa Moreira, de 18 anos, um dos oito mortos no acidente. Renan, que recentemente gravou um CD com seu grupo de funk, se apresentaria na noite de sexta-feira em um baile em Anchieta, na zona oeste do Rio.   O pai do estudante, o motorista Gilson Moreira, estava inconformado e culpou a concessionária do sistema de trens urbanos pela tragédia. "A Supervia matou o meu filho. O que eles fizeram foi uma matança. Meu filho era cheio de sonhos, estava só começando", afirmou Moreira. O enterro foi acompanhado por muitos adolescentes amigos de Renan. Muito emocionados, alguns jovens desmaiaram. O pai e a mãe, Aparecida, também não tiveram condições de acompanhar o sepultamento.   Foram identificados neste sábado outros dois corpos de vítimas. Os enterros de Heleno Paiva Costa, de 21 anos, e José Marcelino da Silva, de 65, estão previstos para a tarde deste sábado. O maquinista de uma das composições, Wellington da Rocha, continua internado em estado grave num hospital de Duque de Caxias, na Baixada. Ele sofreu trauma na medula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.