Richard Santos/Prefeitura do Rio.
Richard Santos/Prefeitura do Rio.

Polícia faz operação contra milícia na comunidade da Muzema, no Rio

A meta é buscar documentos e computadores que possam auxiliar no inquérito sobre o desabamento de dois prédios que deixou 24 mortos

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2019 | 08h14

RIO - A Polícia Civil realiza nesta quinta-feira, 2, uma operação contra a milícia que atua na comunidade da Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro. A meta é buscar documentos e computadores para auxiliar no inquérito sobre o desabamento de dois prédios que deixou 24 mortos. Ao todo, são 20 mandados de busca e apreensão. Além da comunidade, agentes estão em endereços das zonas sul e norte da cidade, além da Baixada Fluminense. Há mandados também para os estados de Pernambuco e da Paraíba

Um dos locais que foi alvo das buscas nesta manhã é a sede da Associação de Moradores da Muzema, apontada por testemunhas como uma espécie de imobiliária informal do condomínio onde os prédios desabaram.

Além das buscas, a Polícia Civil procura ainda por três pessoas ligadas aos edifícios que ruíram. Estão foragidos José Bezerra de Lima, conhecido como Zé do Rolo, responsável pela construção dos imóveis, e Renato Siqueira Ribeiro e Rafael Gomes da Costa, que atuavam como vendedores. Eles respondem por homicídio com dolo eventual, quando se assume o risco de matar.

“Estamos recolhendo todo e qualquer material eletrônico. Estamos verificando folhas, anotações, tudo que possa nos fornecer elementos para que possamos fazer a instrução do nosso inquérito”, explicou a delegada Adriana Belém, em entrevista à TV Globo.

A ação é coordenada pela Delegacia da Barra da Tijuca (16ª DP), responsável pelo inquérito dos desabamentos, em parceria com a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), responsável pelas investigações contra milícias no Rio.Os prédios que desabaram eram ilegais, ou seja, não tinham autorização da prefeitura para a construção. As obras foram embargadas em novembro do ano passado, mas isso não impediu que seus apartamentos fossem ocupados. A polícia busca os responsáveis pelas construções.

Vários outros prédios ilegais, construídos na região, serão demolidos. Segundo a prefeitura, 16 deles serão demolidos para a construção de um parque. / Com Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.