Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Namorado atraiu menina vítima de estupro coletivo no Rio, diz polícia

Jovem e a mãe saíram às pressas da casa onde crime aconteceu; família da garota recusa entrada em programa de proteção

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2017 | 13h17
Atualizado 11 Maio 2017 | 23h15

RIO - A menina de 12 anos estuprada por três adolescentes e um rapaz de 18 anos foi atraída à casa onde sofreu o abuso pelo namorado, com quem mantinha um relacionamento desde o ano passado. Ele chamou os três amigos à revelia da menina. A Justiça expediu um mandado de prisão e três de apreensão contra os acusados.

Um adolescente já havia se apresentado à polícia na terça-feira. Agentes da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav) negociavam na tarde de ontem com parentes do namorado e do outro adolescente para que eles também se entregassem. 

Nesta quinta-feira, 11, a polícia esteve no local do estupro, na Favela da Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense. Na casa, apreendeu dois celulares, uma máquina fotográfica digital, cartão de memória e dois travesseiros. O vídeo do crime compartilhado via WhatsApp mostra que, durante o estupro, um dos agressores usa um deles para esconder o rosto da menina. “Tapa o rosto da novinha”, ele diz.

C., de 17 anos, namorado da menina, vivia na casa com a mãe. O imóvel é simples. Tem dois quartos, sala e cozinha americana e está bem cuidado. 

No dia do crime, em meados de abril, ele chamou a namorada, que mora em outro bairro, assim que a mãe saiu para o trabalho. Quando ela chegou ali, não encontrou C., mas outros dois adolescentes, de 16 e 17 anos. Eles a levaram para o quarto e iniciaram os abusos.

O namorado chegou logo depois, acompanhado do rapaz de 18 anos. Os quatro se revezaram no estupro e na filmagem do ato. Ela foi mantida por cerca de uma hora em poder dos criminosos. A casa fica no mesmo terreno de um bar que, segundo a polícia, é usado como ponto de venda de drogas por traficantes da Chatuba. Ninguém interveio.

A polícia teve de forçar a entrada na casa e encontrou o imóvel revirado. Sobre a cama de casal, havia roupas amarfanhadas e sacolas com documentos. Os armários estavam vazios. Para os policiais, sinal de que mãe e filho saíram às pressas. A informação é de que eles foram expulsos da favela pelos traficantes, em represália à repercussão do caso, que atrairia policiais. 

O adolescente de 17 anos que se apresentou à polícia, acompanhado pela mãe, na terça-feira, confirmou que participou do ato, mas alegou que o sexo foi consentido. A polícia não acredita nessa versão. De acordo com policiais ouvidos pelo Estado, no vídeo a menina pede para que eles parem.

Proteção. A família da menina recusou, a princípio, a oferta da Secretaria de Direitos Humanos para entrar para o programa de proteção às testemunhas. A menina está sob acompanhamento médico e passa por exames complementares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.