Polícia faz operação que investiga presidente de sindicato de Niterói

Rita de Cássia de Almeida é suspeita de cobrar taxa de comerciantes para enriquecimento próprio e deve ser indiciada

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

08 de setembro de 2014 | 10h29

RIO - Agentes da Delegacia Fazendária (Delfaz), da Polícia Civil, fazem operação na manhã desta segunda-feira, 8, no Sindicato dos Empregados no Comércio de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, e outras cidades do interior do Estado. A ação investiga diretamente a presidente do sindicato, Rita de Cássia de Almeida, que teria se beneficiado da cobrança de taxas para enriquecimento próprio.

Segundo a Polícia, ela será indiciada pelos crimes de apropriação indébita, formação de quadrilha, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. A operação tem o objetivo de cumprir 10 mandados de busca e apreensão no sindicato, que, além de Niterói e São Gonçalo, compreende os empregados do comércio de Itaboraí, Tanguá, Maringá, Rio Bonito e Saquarema.

Estão sendo apreendidos computadores e documentos. Os mandados estão sendo cumpridos em Niterói e também no interior, em cidades como Barra do Piraí e Cabo Frio.

Segundo as primeiras informações, a presidente do sindicato usava laranjas para desviar uma taxa cobrada de comerciantes para que seus funcionários trabalhassem em domingos e feriados.
Tudo o que sabemos sobre:
Rio de JaneiroNiteróiSão Gonçalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.