Polícia faz perícia em escola onde 13 morreram no Rio

Wellington Menezes de Oliveira entrou no colégio nesta quinta, 7, e atirou contra alunos e professores, matando 10 meninas e 2 meninos; parado por um PM, assassino se suicidou

Priscila Trindade, da Central de Notícias

08 Abril 2011 | 09h07

SÃO PAULO - Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) realizam perícia na manhã desta sexta-feira, 8, na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio, que ontem foi palco de um massacre nunca visto antes no Brasil. Pela manhã, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou no colégio e atirou contra alunos e professores. Doze crianças morreram, sendo 10 meninas e 2 meninos.

 

Veja também:

link'Vou matar. Não adianta fugir', dizia atirador

linkAtirador era calado, tímido e vivia na internet

linkEm carta, atirador deixa instruções de enterro

linkChocada, Dilma chora e decreta luto de 3 dias linkEUA e Brasil: diferenças e semelhanças

blog Chacra: 250 anos de massacres nos EUA

blog Gabeira: Tinha bala para quase toda escola

mais imagens Imagens do local do atentado

especialO passo a passo da ação do atirador

especialViolência e tragédia nas escolas

 

Os agentes do ICCE buscam por cápsulas de balas, marcas de sangue e outros objetos e detalhes que possam ser usados na investigação e na reconstituição do crime. Segundo relatos, Oliveira mandava que os alunos fossem para a parede e, indifente aos pedidos das crianças, atirava na cabeça.

Na tarde de ontem, os peritos estiveram na casa de Wellington para colher provas. O atirador deixou uma carta que é analisada pela Polícia Civil. Ele morava numa casa de alvenaria, em Sepetiba. O imóvel está em má condição de conservação - tem vidraças quebradas e pichações na fachada.

 

Depois de atirar contra as crianças, Wellington se matou. O suspeito entrou na escola, localizada na Rua General Bernardino de Matos, por volta das 8 horas, e disparou contra diversos alunos. Agentes do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) do Rio, que faziam uma fiscalização em uma rua próxima a da escola, foram avisados por uma das criança baleadas que havia um atirador dentro da escola.

Em seguida, policiais militares do Batalhão de Polícia Trânsito Rodoviário e Urbano (BPRV), que acompanhavam a ação do Detro, foram até o local e atiraram na perna de Wellington. Depois, ele se suicidou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.