PMRJ / Twitter
PMRJ / Twitter

Polícia identifica um dos suspeitos de matar comandante de Batalhão do Méier

Matheus Severiano foi identificado pelo cabo que dirigia o carro onde estava o tenente-coronel Luiz Gustavo Teixeira quando foi morto, na quinta-feira, 26

O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2017 | 12h56

RIO - A Divisão de Homicídios identificou Matheus do Espírito Santo Severiano como um dos suspeitos de matar a tiros o comandante do 3º BPM (Méier), tenente-coronel Luiz Gustavo Teixeira. O assassinato ocorreu na quinta-feira, 26, na esquina das ruas Hermengarda e Lins de Vasconcellos, na zona norte da capital fluminense. 

Segundo o diretor da DH, delegado Rivaldo Barbosa, Severiano foi identificado pelo cabo Nei Filho, por meio de fotos, como o homem com quem trocou tiros durante o episódio. O criminoso é da comunidade da Barreira, no Complexo do Lins, objeto de buscas policiais desde ontem.

Motorista do carro em que ia o oficial, o cabo Nei ficou ferido na perna, mas passa bem. Ele também viu quando Severiano tentou pegar uma arma que caíra. A pedido da Polícia, a Justiça decretou a prisão do acusado. Pelo menos outros três homens participaram do assassinato e são procurados.

+++ Novo tiroteio impede acesso de bombeiros à Rocinha

Barbosa, que deu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, 27, descartou a possibilidade de um execução planejada do oficial. Inicialmente, essa foi a hipótese levantada para a morte do comandante. A DH confirmou, porém, que Teixeira foi morto em um assalto - um arrastão, cometido por criminosos que estavam em um Audi e interceptaram o Gol descaracterizado em que o PM estava.

Segundo policiais da DH, as investigações apuraram que quatro criminosos estavam no Audi para cometer roubos na rua Hermengarda. Haveria um quinto homem em uma motocicleta, dando cobertura.  Os quatro pararam o veículo na esquina com a Lins de Vasconcellos e saltaram. Ao ver o coronel fardado, começaram a disparar. Os dois policiais reagiram, também a tiros. O tenente-coronel foi atingido no peito e morreu no Hospital Miguel Couto.

Mais conteúdo sobre:
ArrastãoMorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.