Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Polícia investiga ligação de assassino de dançarina com milícias

Apesar de indícios, não existem provas do envolvimento; relatório sobre morte de Amanda Bueno será entregue ao MP na sexta-feira 

Carina Bacelar , O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2015 | 13h17

RIO - Será entregue nesta sexta-feira, 24, ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro o relatório da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) sobre a morte da dançarina Amanda Bueno (nome artístico de Cícera Alves de Sena), de 29 anos. De acordo com o delegado titular da DHBF, Fábio Cardoso, as conclusões dos investigadores serão encaminhadas também para a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), unidade que pode apurar a ligação do autor do crime e noivo de Amanda, Milton Severiano Vieira, com milícias que atuam na Baixada Fluminense. Até agora, apesar dos indícios, não apareceram provas desse suposto envolvimento. 

O crime aconteceu na última quinta-feira, 16. Segundo o delegado, Vieira foi ouvido novamente na última segunda-feira, 20, e alegou que o crime teve motivação passional e foi ocasionado por ataques de ciúmes. As brigas teriam começado na segunda-feira anterior ao assassinato, 13. Vieira já tinha duas passagens pela polícia, ambas enquadrado na Lei Maria da Penha. 

O autor do crime não mencionou em depoimento que Amanda planejava deixar o Rio e voltar a viver com a família em Goiás, como a dançarina demonstrou em mensagens enviadas à mãe, Iraídes Maria de Jesus, horas antes do crime por meio do aplicativo WhatsApp. "Mãe, por favor, não viaja que eu preciso chegar em casa e te dar um abraço", pediu Amanda, na ocasião, em lágrimas.

Vieira foi autuado por homicídio triplamente qualificado, caracterizado por motivo fútil e por impossibilitar à vítima a chance de defesa, por feminicídio - desde março, a Lei 13104/15 define como crime hediondo a morte violenta de mulheres por motivo de gênero.

Ele responde também por porte ilegal de arma de fogo e roubo, já que, depois do crime, ele levou o carro de um prestador de serviços que realizava manutenção em câmeras de segurança instaladas na residência. 

Foram justamente essas câmeras de segurança que captaram o momento em que Vieira agrediu e matou Amanda.O vídeo, afirmou o delegado, foi anexado aos autos, ao contrário do que argumentava a defesa de Milton, alegando que as imagens não tinham validade como provas do crime e teriam sido obtidas de modo ilegal.

"As imagens já foram juntadas nos autos e uma cópia do vídeo também, via DVD. Não tem nada de ilegal", ressaltou Cardoso. 

Amanda era ex-dançarina dos grupos de funk Gaiola das Popozudas e Jaula das Gostozudas e seguia trabalhando no Rio para ajudar financeiramente a família em Goiás. Ela deixou uma filha de 11 anos, Emily, que vivia com a avó. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.