Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Polícia Militar realiza operação na zona oeste do RJ e estrada Grajaú-Jacarepaguá é fechada

Até o momento, ao menos dez pessoas foram presas; balanço inicial aponta que três pistolas, uma granada e drogas, ainda não contabilizadas, foram apreendidas

Constança Rezende e Jéssica Otoboni, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 07h06
Atualizado 07 Junho 2018 | 12h36

SÃO PAULO E RIO - As Forças Armadas realizaram na manhã desta quinta-feira, 7, uma operação em conjunto com as Polícias Militar e Civil em comunidades da zona oeste do Rio de Janeiro. Até às 8h30, ao menos dez pessoas foram presas.

+ Metas da intervenção no Rio vão de militares da reserva na PM a mais eventos cívicos, mostra plano

+ Sargento músico do Exército é assassinado na zona norte do Rio

Segundo o Comando Conjunto (que agrega as forças), uma pessoa morreu porque teria atirado contra os policiais. Ainda de acordo com um balanço inicial, três pistolas, uma granada e drogas, ainda não contabilizadas, foram apreendidas. 

+ Tiroteio assusta moradores no Morro da Coroa, região central do Rio

+ Homem morre baleado em tentativa de assalto na zona norte do Rio

A ação ocorre nas favelas Cidade de Deus, Gardênia Azul, Outeiro, Vila do Sapê, Parque Dois Irmãos e Morro da Helena, todas na região de Jacarepaguá. A estrada Grajaú-Jacarepaguá precisou ser interditada nos dois sentidos, informou o Centro de Operações da Prefeitura do Rio. A recomendação era para os motoristas que trafegavam entre as zonas norte e oeste optassem pelo Alto da Boa Vista ou pela Linha Amarela.

De acordo com o Comando Conjunto, esta é uma das maiores operações integradas já realizadas, em razão do efetivo de agentes empregado - 2.500 militares das Forças Armadas, 420 policiais militares e 350 policiais civis -, a área abrangida e a população beneficiada. A ação também envolve cerco da área e remoção de barricadas.

"Revistas seletivas de pessoas e veículos também são realizadas", informou a nota divulgada pelas autoridades de segurança. "A Polícia Civil realiza a checagem de antecedentes criminais e cumprirá mandados judiciais, condicionada às restrições constitucionais à inviolabilidade do lar", informou.

Segundo o comando, também são empregados meios blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia. "Esta operação foi deflagrada no contexto das medidas implementadas pela Intervenção Federal na Segurança Pública. Serão beneficiados com esta operação, direta e indiretamente, mais de 200 mil moradores das áreas abrangidas pelas ações", explicou o Comando Conjunto.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.