Diego Reis/Polícia Civil
Diego Reis/Polícia Civil

Polícia prende homem acusado de manter estúdio que promovia pornografia infantil no Rio

De acordo com a investigação, o alemão Klaus Berno Fischer filmava atos de violência sexual contra menores e vendia na deep web; ele estava foragido

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2020 | 12h30

O alemão Klaus Berno Fischer, de 73 anos, foi preso na noite desta quinta-feira, 13. De acordo com a investigação da 35ª DP (Campo Grande), ele mantinha um estúdio para produção de pornografia infantil em Santíssimo, na zona oeste do Rio. Ele filmava atos de violência sexual contra menores e vendia na deep web. No local onde o material era produzido, foram encontrados mais de 30 mil vídeos com crianças.

Segundo a polícia, Fischer prometia presentes e dinheiro para atrair os menores, que tinham idades que variavam de 5 a 15 anos. Uma mulher ainda não identificada seria usada para aliciar as crianças em comunidades carentes próximas. Na casa onde ele fazia as filmagens, os policiais encontraram brinquedos infantis, como balanços e gangorras, além de objetos de sadomasoquismo.

"Foi um choque", disse o delegado Luis Maurício Armond, em entrevista à TV Globo. "Nesse tempo de polícia que eu tenho, nunca havia visto uma coisa tão bizarra, tão agressiva. Terror, mesmo. Um horror era o que havia lá. Requintes de sadomasoquismo além do comum. Realmente fiquei horrorizado."

O local foi descoberto graças à denúncia de duas mulheres que procuraram a delegacia para denunciar que as filhas tinham sido abusadas sexualmente. Fischer vive no Brasil desde os anos 80 e é proprietário de uma agência de turismo em Copacabana.

O alemão foi preso em um sítio em Seropédica, na Baixada Fluminense - onde ele estava escondido. A prisão foi decretada pelo Plantão Judiciário. Segundo a polícia, no momento da abordagem, Fischer tentou fugir e sofreu uma queda, que provocou ferimentos no rosto dele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.