Diego Reis / Governo do Rio de Janeiro
Diego Reis / Governo do Rio de Janeiro

Polícia prende suspeito de chefiar milícia que atua na Baixada Fluminense

Marcelo Barbosa Ramalho, conhecido como "MM", seria o chefe da organização criminosa que atua nas comunidades Pantanal, em Duque de Caxias, e Garibaldi, em Belford Roxo

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2021 | 16h02

RIO – Policiais civis prenderam neste sábado, 28, um homem suspeito de chefiar uma milícia que atua na região metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com a Polícia Civil, Marcelo Barbosa Ramalho, conhecido como "MM", seria o chefe da organização criminosa que atua nas comunidades Pantanal, em Duque de Caxias, e Garibaldi, em Belford Roxo, ambas na Baixada Fluminense.

A milícia “é responsável por diversos homicídios e foi a primeira no Rio de Janeiro a se associar com o narcotráfico”, apontou a polícia, em nota. O grupo também teria ligação com o miliciano Danilo Dias Lima, o Danilo Tandera, um dos criminosos mais procurados do Rio.

MM foi preso dentro de um bar em Duque de Caxias, numa região controlada pela milícia. A operação foi conduzida por agentes da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (DESARME), Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) e Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (DRACO).

Os agentes monitoravam MM desde o ano passado, quando assumiu o comando do grupo paramilitar após a morte do miliciano e ex-vereador Jonas Gonçalves da Silva, o "Jonas É Nós", informou a Polícia Civil.

Os agentes encontraram com o preso um revólver, uma pistola, dois carregadores e telefones celulares. Ele foi levado à Cidade da Polícia, no Jacarezinho, zona norte do Rio, para registro de ocorrência da prisão em flagrante por organização criminosa e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.