Centro de Operações do Rio/Twitter/Reprodução
Centro de Operações do Rio/Twitter/Reprodução

Polícia realiza operação no Rio em busca de assassinos de PM

Soldado Daniel Henrique Mariotti, 30 anos, foi ferido em combate durante uma ação na Linha Amarela, quando criminosos armados tentavam assaltar motoristas

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2019 | 11h19
Atualizado 06 de janeiro de 2019 | 11h19

RIO - Uma operação policial está sendo realizada neste domingo, 6, em comunidades da zona norte do Rio de Janeiro, para encontrar os bandidos que balearam na tarde de sábado, 5, o soldado Daniel Henrique Mariotti, 30 anos, que não resistiu aos ferimentos e morreu durante a noite no Hospital Federal de Bonsucesso (HFB). 

Primeiro policial morto este ano, Mariotti  foi ferido em combate durante uma ação na Linha Amarela, quando criminosos armados tentavam assaltar motoristas. 

Em mensagem pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade à família de Mariotti: "Meu pesar à família de mais um PM assassinado no RJ, o soldado Mariotti. A caça aos agentes de segurança e o massacre dos cidadãos de bem sempre foram tratados como números. Legislativo, Executivo e Judiciário juntos, devem na lei, propiciar garantias para que o bem vença o mal", disse.

O governador do Rio, Wilson Witzel também se manifestou por meio da sua assessoria de imprensa e prometeu investigar o caso com todo rigor e não esmorecer no combate ao crime em todo do Rio de Janeiro.

"O Rio de Janeiro acaba de perder mais um herói nesta guerra contra os terroristas nas ruas do nosso Estado. Quero manifestar meu mais profundo pesar pelo assassinato do soldado PM Mariotti e minhas condolências à família. Que Deus o abençoe e o receba. Como governador, a morte de um policial é como perder um filho. Vamos investigar este caso com todo o rigor e não vamos parar o combate ao crime até devolvermos a paz ao Estado", disse o governador em nota.

O enterro de Marrioti será realizado neste domingo, às 16h30, no Jardim da Saudade, em Sulacap. 

O Disque-Denúncia Rio oferece recompensa de R$ 5 mil para quem ajudar a encontrar os criminosos que mataram o PM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.