Leo Correa/AP Photo
Leo Correa/AP Photo

Policiais que participaram de ação que resultou na morte da menina Ágatha prestam depoimento

PMs chegaram à Delegacia de Homicídios por volta das 15h; eles não deram declarações. Ágatha foi atingida por um tiro de fuzil nas costas

Marico Dolzan, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2019 | 15h41

RIO DE JANEIRO - Três policiais militares que participaram da ação que acabou com a morte da menina Ágatha Félix, de apenas 8 anos, chegaram à Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) para prestar depoimento. Eles eram esperados às 11h, mas chegaram à delegacia pouco depois das 15h.

Os PMs chegaram em uma viatura da Polícia Militar, mas ao avistarem a  imprensa tentaram despistar e embarcaram num táxi, que entrou pelos fundos. Eles não deram nenhuma declaração.

Na sexta à noite, Ágatha estava dentro de uma Kombi no Complexo do Alemão, com a família, quando foi atingida por um disparo de fuzil nas costas. A PM diz que policiais trocaram tiros com bandidos. Já moradores contestam a versão. Segundo eles, os PMs atiraram em homens em uma moto e acabaram acertando a criança. 

Polícia Civil e Ministério Público vão apurar se o tiro partiu da arma dos PMs. Só este ano, ao menos 16 crianças foram baleadas na região metropolitana do Rio – cinco morreram, diz a plataforma Fogo Cruzado, que monitora tiroteios. 

O governador Wilson Witzel deu uma entrevista coletiva sobre o caso, lamentou a morte, mas defendeu a política de segurança do Estado do Rio.

A morte da menina levou a um embate entre o presidente da Câmara dos DeputadosRodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, sobre o pacote anticrime, que prevê punição mais branda a policiais que cometam excessos no combate ao crime. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.