Dois policiais são presos suspeitos de integrar milícia no Rio

Dupla faria parte da Liga da Justiça, grupo que atua em prédios de Campo Grande, na zona oeste; terceiro denunciado está foragido

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2015 | 10h38

RIO - Dois policiais foram presos na manhã desta terça-feira, 30, acusadossuspeitos de integrar o grupo de milicianos conhecido como Liga da Justiça, que exerce controle em condomínios em Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro. Um terceiro denunciado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), Sidney Carvalho da Silva, conhecido como Lacraia, está foragido.

O policial civil Alexandre Castilho Gouvêa de Oliveira, conhecido como Castilho ou Nazista, e o policial militar Lucas Nunes de Oliveira, conhecido como Goiano, foram detidos por agentes da Corregedoria Interna da Polícia Civil e da 9ª Delegacia de Polícia (Catete). A ação da Operação Valkíria apreendeu ainda R$ 60 mil e notas promissoras na casa de um dos presos.

A prisão preventiva dos milicianos foi decretada pela 16ª Vara Criminal da Capital, após denúncia apresentada no dia 15 de junho pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ.

Segundo os promotores, Castilho assumiu o controle do condomínio onde atua a milícia em 2011, ao mesmo tempo em que exercia a função de policial civil. O policial militar Lucas Nunes de Oliveira executava os homicídios a mando do chefe da milícia, geralmente na garupa da motocicleta conduzida por Sidney, apontado como homem de confiança de Castilho. 

A denúncia do Gaeco pede ainda ações de busca e apreensão em mais de 20 endereços, a maioria no Condomínio Flor do Campo, na Estrada da Posse. No local, os milicianos cometeram diversos crimes, entre eles homicídios, ameaças, constrangimento ilegal e fornecimento irregular de sinal de TV a cabo e segurança privada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.