Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Policial militar é assassinado em frente à esposa na Baixada Fluminense

O cabo Francisco Fernandes Souza Diego Mota Domingues estava de folga; criminosos atiraram nele no momento em que saía de uma festa de aniversário; é o quarto PM morto no Rio de Janeiro neste ano

Renata Okumura e Marina Dayrell, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2019 | 10h17

SÃO PAULO - Um policial militar foi assassinado a tiros em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, na madrugada desta quarta-feira, 23. 

O crime aconteceu no bairro Parque Martinho e foi registrado pelo 9º BPM (Belford Roxo).

A Polícia Militar informa que lamenta a morte do cabo Francisco Fernandes Souza Diego Mota Domingues, de 38 anos, lotado no Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BPVE), ocorrida na madrugada desta quarta-feira.

De acordo com informações do 39º BPM (Belford Roxo), o policial estava de folga, próximo a sua residência em Belford Roxo. Ele havia saído de uma festa de aniversário, quando criminosos armados atiraram contra ele. 

O militar foi levado para o Posto de Saúde Mista do Lote XV, mas não resistiu aos ferimentos.

Ele esta casada, tinha filhos e estava há nove anos na corporação.

O cabo Souza é o quarto policial militar assassinado no Rio de Janeiro neste ano.

Policiais também foram baleados no início do mês. No dia 8 de janeiro, dois PMs que são amigos e aproveitavam juntos o dia de folga foram baleados . Guiados por aplicativo, sargento e cabo entraram em rua perto da favela do Jardim Novo.

Outros casos

Em 5 de janeiro, o soldado Daniel Henrique Mariotti, de 30 anos, foi morto na Linha Amarela, na zona norte da capital, por bandidos durante um arrastão. 

No dia 7 de janeiro, o soldado Miquéias Marinho Ribeiro, de 31 anos, foi morto dentro de seu carro, em Japeri, na Baixada Fluminense. 

No dia 17, o cabo do 35º BPM (Itaboraí) Rodrigo Marques Paiva, de 35 anos, foi assassinado enquanto lanchava na Rua A, no bairro de Marambaia, em Itaboraí, na região metropolitana do Rio de Janeiro. A mãe do PM presenciou a tragédia.

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.