Reprodução
Reprodução

Política de segurança não pode ser julgada por erros de policiais, afirma Pezão

Governador do Rio diz que morte de jovem de 17 anos, cuja cena foi alterada por PMs para indicar situação de confronto, é 'muito triste'

Luciana Nunes Leal , O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2015 | 11h13

RIO - O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) disse nesta quinta-feira, 1º, que a política de segurança do Estado não pode ser medida por episódios como o do adolescente Eduardo Felipe Santos Victor, de 17 anos, morto no Morro da Providência, em que policiais militares foram filmados forjando um auto de resistência (morte em confronto com a polícia). Mas também disse que não são aceitáveis as mortes de policiais que atuam nas Unidades de Polícia Pacificadora. O governador, que lança nesta quinta o campeonato de futebol Copa das UPPs, disse que não é possível paralisar as ações na área de segurança pública.

"Temos 60 mil policiais e não podemos julgar nossa política de segurança por essas pessoas que cometem desvios e erros. Pelo desvio de um, dois, ou três policiais. Temos que nos indignar com tudo. A morte do garoto é muito triste, mas também não é trivial a gente achar que é normal matar policiais em qualquer lugar. Também tenho que ressaltar minha indignação tanto como o rapaz que morreu em Nova Iguaçu, de forma brutal, como o policial que foi morto ontem (quarta-feira) no Alemão", afirmou o governador em entrevista depois de participar da abertura de um seminário de urbanismo na Fundação Getúlio Vargas. 

Pezão  se referia aos policiais militares Bruno Rodrigues Pereira, da UPP Formiga, torturado até a morte ao ser identificado como PM, na noite de domingo, 27, e Caio César Mello, da UPP Fazendinha, que também era o dublador oficial dos filmes Harry Potter, morto em patrulha no Complexo do Alemão, na manhã desta quarta-feira, 30.

Pezão disse que em seis anos 2.200 policiais foram afastados por terem cometido "abusos e erros". O governador evitou comentar o aumento do número de casos de resistência, em que as pessoas são mortas durante confronto com policiais, e disse que o secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, tem "autonomia total na área de segurança". Pezão ressaltou, porém, o poder de fogo de criminosos. "Não é normal o tráfico ter armamentos que nem nossas Forças Armadas possuem. Temos dificuldades de patrulhar", disse o governador.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.