Leo Correa/AP Photo
Leo Correa/AP Photo

Por atraso, Unidos da Tijuca vai perder 0,1 ponto

Correria para tapar o buraco causado pela paralisação de carro vai comprometer notas da escola

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2017 | 05h25

RIO - O desfile da Unidos da Tijuca, atual vice-campeã do carnaval do Rio, foi marcado pelo tumulto causado pelo desabamento de parte do segundo carro alegórico. A correria para tapar o buraco causado pela paralisação da alegoria vai comprometer notas da escola, que também será punida por desfilar em 76 minutos - o máximo permitido neste ano são 75. Devido a esse atraso, começará a apuração, na tarde de quarta-feira, 1º, com um décimo (0,1 ponto) a menos que as demais. Por isso, a escola corre até o risco de ser rebaixada - risco semelhante ao da Paraíso do Tuiti, também envolvida em um acidente na primeira noite de desfiles.

A Unidos da Tijuca levou à Marquês de Sapucaí a história da música americana com o enredo "Música na alma, inspiração de uma nação". A escola trouxe para a avenida diversos estilos musicais, com alas representando gêneros como o blues, o country music e o hip-hop.

Alguns ícones da música americana também foram homenageados, como Donna Summer, Michael Jackson e Madonna. A bateria da escola foi caracterizada de Elvis Presley, o rei do rock. Outra ala fez uma homenagem à cantora Beyoncé, que chegou a ser convidada para desfilar.

O carro ficou parado por cerca de 40 minutos e 14 alas passaram à sua frente. Essas alas deveriam ser acompanhadas por mais dois carros alegóricos, que por isso também acabaram desfilando fora do lugar.

Apesar da confusão, os componentes tentaram demonstrar naturalidade. A plateia aplaudiu, contagiada pelo belo samba. Ao final, mais momentos de tensão para que o carro quebrado não atrapalhasse a saída dos demais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.