Prédio desmorona parcialmente na periferia da cidade do Rio de Janeiro

Prefeitura da cidade decretou estado de atenção por causa das fortes chuvas

Pedro Dantas, Agência Estado

26 de dezembro de 2011 | 19h36

RIO - Um prédio desmoronou parcialmente no subúrbio do Rio de Janeiro e uma barreira desabou em uma rodovia do Estado, na primeira chuva do verão. Na capital fluminense, bolsões d'água se formaram em vários trechos e deixaram o trânsito lento. Colisões foram registradas em diversos pontos da cidade. De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura do Rio, o tempo nesta segunda segue encoberto e com chuvas devido à passagem de uma frente fria.

A Prefeitura do Rio decretou o estágio de atenção. O terceiro na escala de quatro alertas, que prevê a possibilidade de chuvas moderadas a fortes. O desabamento parcial do teto de um prédio de três andares, em Ricardo de Albuquerque, no subúrbio do Rio, assustou clientes e comerciantes de uma loja de produtos para animais que funcionava no térreo. Ninguém ficou ferido. A Defesa Civil interditou o prédio cujos demais andares já estavam desocupados.

Na Avenida Niemeyer (zona sul), nas proximidades do Morro do Vidigal, a queda de uma árvore provocou a interdição parcial da via, que liga o Leblon ao bairro de São Conrado. Pela manhã, a queda de uma barreira provocou a interdição parcial de um trecho da Rodovia Rio-Juiz de Fora, na altura da cidade de Três Rios, no Centro Sul Fluminense. À tarde, a concessionária Concer informou que a situação já estava normalizada. O Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio, operou com auxílio de instrumentos, mas até o final da manhã de hoje, dos 48 voos previstos, apenas dois atrasaram e três foram cancelados.

Mais conteúdo sobre:
chuvasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.