EFE/ Antonio Lacerda
EFE/ Antonio Lacerda

Prefeitura do Rio vai lavar estações, hospitais e Centro da cidade com detergente

Ação contra coronavírus começa nesta terça, 24, quando também entra em prática o fechamento do comércio na capital fluminense

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 13h12

  

RIO – O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, anunciou no início da tarde desta segunda-feira, 23, que a Prefeitura vai promover a lavagem de locais-chave da cidade com detergente para ajudar a frear a propagação do novo coronavírus. A partir desta terça-feira, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) trabalhará com 20 caminhões-pipa, dez vans com motobomba e 30 pulverizadores.

O foco será a zona sul da cidade e o bairro da Barra da Tijuca, na parte rica da zona oeste, onde há maior concentração de casos confirmados da doença. Lugares como pontos de ônibus e do BRT, estações de metrô e trem estão entre os que serão priorizados. As equipes também limparão as entradas de hospitais e ruas do Centro da cidade em que há forte presença de moradores em situação de rua. 

Em entrevista dada à imprensa por meio de transmissão em vídeo, Crivella voltou a reforçar medidas já anunciadas no fim de semana. Lembrou, por exemplo, que o comércio será fechado, com poucas exceções: farmácias, supermercados e hortifrutis; padarias, que devem evitar aglomerações; pet shops; postos de gasolina, sem lojas de conveniência; e lojas de materiais médicos. 

Um ponto que tem sido muito questionado a autoridades é a ajuda a trabalhadores como vendedores ambulantes, taxistas e profissionais autônomos. O prefeito disse que a Prefeitura já tem cestas básicas que serão distribuídas para essas pessoas. 

No caso dos moradores de rua, Crivella afirmou que três locais estão sendo preparados para acolhê-los: o Sambódromo e um galpão no Santo Cristo, ambos no Centro, e um espaço em Honório Gurgel, na zona norte. 

Outra parcela vulnerável da população são os moradores das favelas. O prefeito disse que vai disponibilizar “lavódromos” com água e sabão na entrada das comunidades. A principal medida, contudo, é a disponibilização de dez hotéis na zona sul para abrigar idosos dessas favelas - o acordo ainda está sendo costurado com as empresas, mas já é certo que a Prefeitura pagará as diárias. A triagem de quem vai para esses locais será feita pelas Clínicas da Família nas próprias comunidades. 

O Estado do Rio tem 186 casos confirmados do Covid-19, sendo 168 na capital. As três mortes confirmadas, porém, ocorreram em outras cidades: Niterói, na região metropolitana; Petrópolis, na região serrana; e Miguel Pereira, no sul do Rio.  

Crivella voltou a reforçar o pedido para que a população – especialmente idosos – fique em casa. Antes de terminar a coletiva de imprensa, disse que “também precisamos da ajuda de Deus” e rezou o Pai Nosso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.