Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

'Prender não adianta mais', diz secretário de Segurança do Rio

Em audiência pública, Beltrame afirmou que sistema 'está falhando': 'a solução passa pela polícia, mas não é só ela', disse

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

26 Abril 2016 | 19h55

RIO - O secretário de Segurança do Estado do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou nesta terça-feira, 26, que “prender não adianta mais”. Após participar de audiência pública promovida pela CPI das Armas na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Beltrame disse que "do ano passado para cá houve um recorde de prisões, e mesmo assim a violência continua. A solução passa pela polícia, mas não é só por ela”.

“Infelizmente tenho que dizer à população que me parece que prender não adianta mais. Alguma coisa no sistema está falhando, porque a pessoa vai presa, em seguida retorna (à liberdade) e a polícia fica sangrando, fica correndo atrás dessas pessoas”, continuou.

Beltrame anunciou que a polícia está intensificando operações em áreas com Unidade de Polícia Pacificadora (UPPs). "Estamos com ações de inteligência em várias UPPs. Temos uma série de mandados de prisão em andamento, que devem ser liberados pela Justiça nos próximos dias, temos uma série de pessoas já identificadas a serem presas. As pessoas que querem banalizar o trabalho da polícia não vão conseguir”, afirmou.

Na manhã desta terça, o Departamento Geral de Polícia Especializada promoveu uma grande operação na comunidade de Manguinhos (zona norte do Rio) para recuperar motos roubadas, prender criminosos e mapear locais usados nos crimes. Mais de 20 pessoas foram detidas e 15 motos que haviam sido roubadas foram recuperadas. Também nesta terça, um tiroteio entre PMs e criminosos na Vila Cruzeiro (zona norte) deixou ferido um policial da UPP da área.

Mais conteúdo sobre:
José Mariano Beltrame CPI Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.