Gilvan de Souza/Agência O Dia
Gilvan de Souza/Agência O Dia

Presidente da Cedae pede desculpa e promete água normalizada na próxima semana

Hélio Cabral afirmou que líquido que tem saído da torneira de consumidores não oferece risco, mas se negou a beber água turva

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 13h41

RIO - O presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Hélio Cabral, pediu desculpas à população do Rio de Janeiro pelos transtornos causados por conta do sabor e do cheiro da água distribuída. Ele garantiu que o problema não voltará a acontecer.

Já a partir da semana que vem o reservatório do Guandu terá uma etapa extra de tratamento da água com carvão ativado que retira da água a geosmina - substância orgânica produzida por algas que causa o cheiro e o sabor de terra na água. Segundo a Cedae, ela não faz mal à saúde. 

Cabral admitiu, no entanto, que não sabe o que poderia estar causando a turbidez da água que chega à população - a geosmina não provoca turbidez.

"Isso terá que ser investigado caso a caso", disse. "Pode ser um bicho morto, uma caixa d'água suja."

Ele disse que continua bebendo a água da Cedae que sai da torneira de sua casa, mas não aceitou o desafio dos jornalistas de beber a água turva que tem chegado à parte da população.

"Bebo água da minha casa", limitou-se a dizer.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Bebo água da minha casa
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Hélio Cabral, presidente da Cedae

O diretor da Cedae afirmou que a companhia não tem planos de reduzir o valor da conta de água ou ressarcir a população afetada pelo problema.

"O cidadão tem o direito de reivindicar os seus direitos", disse.

O executivo garantiu também que a demissão de 54 funcionários da companhia ao longo deste ano não tem nenhuma relação com o problema e que eles sequer trabalhavam na área de controle de qualidade da água. 

Cabral anunciou investimentos de R$ 750 milhões até 2022 para a modernização de Guandu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.