Polícia Rodoviária Federal/Divulgação
Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

Presidente da Editora Vozes é assassinado em Duque de Caxias

Autor de 27 livros, frei Antônio Moser tinha 75 anos e era professor de Teologia Moral e Bioética no Instituto Teológico Franciscano

Constança Rezende e Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

09 de março de 2016 | 11h25

RIO - O diretor-presidente da Editora Vozes, frei Antônio Moser, de 75 anos, foi assassinado nesta quarta-feira, 9, em um assalto na Rodovia Washington Luís, na região do município de Duque de Caxias, Baixada Fluminense. O frade foi atingido por um tiro nas costas, depois de ter sido abordado em seu veículo por dois homens em uma moto, por volta das 6 horas. Os criminosos conseguiram fugir. A vítima morreu no local.

De acordo com o delegado responsável pelas investigações e titular da Divisão de Homicídios da Baixada, Brenno Carnevale, frei Moser possivelmente não obedeceu a uma ordem dos assaltantes, como abaixar os vidros do carro. Um dos criminosos, possivelmente o carona, fez dois disparos. O religioso acabou ferido por um dos tiros. O veículo bateu em um ônibus e na divisória da pista. Ainda andou por cerca de 200 metros até o acostamento da rodovia, onde parou.

Moser estava sozinho no Honda Civic, cor prata, com a placa em nome da Editora Vozes. Quando os agentes da Polícia Rodoviária Federal chegaram ao local, constataram que ele já estava morto. Por volta das 9 horas, a Polícia Civil iniciou uma perícia no local.

“Um dos tiros atingiu as costas de frei Moser, perto do ombro esquerdo, e atravessou o seu corpo. Outro ficou alojado no banco do motorista. Estamos localizando câmeras pela rodovia que possam ajudar a traçar a rota de fuga dos assaltantes e buscando testemunhas, como o motorista do ônibus, que será fundamental. Também queremos saber o motivo pelo qual o coletivo não parou para prestar ajuda ao frade”, disse o delegado.

A Arquidiocese do Rio publicou uma nota lamentando o ocorrido. O cardeal d. Orani João Tempesta declarou que recebeu a notícia “com muito pesar”. “Surpreendidos com a notícia, me uno em oração pela sua alma e estendo meu abraço e unidade a seus familiares, à comunidade paroquial, ao bispo da Diocese de Petrópolis, d. Gregório Paixão, e na pessoa de seu provincial, aos membros da Ordem dos Frades Menores.”

Luto. O prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, decretou luto oficial por três dias em razão da morte do frei Antônio Moser. A Câmara Brasileira do Livro (CBL) também se pronunciou. “Indignada com as proporções da criminalidade e a violência, a entidade apresenta suas condolências à Editora Vozes, seus diretores e colaboradores, e também aos familiares de frei Antônio Moser.” 

Perfil. O catarinense Antônio Moser morava em Petrópolis, cidade da Região Serrana do Rio, desde o seminário. O frei era diretor-presidente da tradicional Editora Vozes, uma das mais antigas do País, fundada em 1901 e especializada em títulos das áreas de religião, filosofia e sociologia. Também atuava como professor de Teologia Moral e Bioética no Instituto Teológico Franciscano (ITF), em Petrópolis, e era pároco da Igreja de Santa Clara, além de diretor do Centro Educacional Terra Santa, instituição voltada a pessoas carentes de todas as idades, da infância à terceira idade.

O religioso era um conferencista conhecido no Brasil e no exterior, autor de 27 livros, traduzidos em diversos idiomas, e de artigos científicos. Estudou Filosofia e Teologia em Petrópolis, fez licenciatura em Teologia em Lyon (França) e doutorado na Academia Alfonsianum, em Roma. Foi professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio e professor convidado da Universidade Católica de Lisboa e da Universidade de Berkeley, na Califórnia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.