Divulgação/Polícia
Divulgação/Polícia

Preso traficante acusado de comandar plano de expansão do CV

Edvanderson Gonçalves Leite é acusado de ter participado dos confrontos com policiais na Cidade de Deus

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2016 | 18h32

RIO - O traficante Edvanderson Gonçalves Leite, de 51 anos, chefe do tráfico da Cidade de Deus, foi preso na manhã de sexta, 2, em operação policial na Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, na zona norte. O Portal dos Procurados oferecia recompensa de R$ 30 mil pela captura do traficante.

Ele é acusado de ter participado dos confrontos com policiais na Cidade de Deus, em 20 de novembro, dia em que um helicóptero da PM, que dava cobertura à operação, caiu, matando quatro policiais.

Deco fora preso pela Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) em maio passado, em Campina Grande (PB). Foi solto em 21 de julho deste ano, ao ser liberado por habeas corpus. Depois da operação em que houve a queda do helicóptero, a Justiça determinou a recaptura do preso. Ele era considerado foragido do sistema penal.

Mais magro do que nas fotos divulgadas pelo Portal dos Procurados, Deco foi detido em uma casa na Rua Teixeira Ribeiro, na Nova Holanda. Os policiais do Bope colocaram um capuz sobre a cabeça do traficante e o levaram em carro aberto até o Comando de Operações Especiais, baseado em um dos acessos da favela.

A ação na Maré faz parte de ofensiva da Polícia Militar contra o Comando Vermelho. A facção tem tentado expandir sua influência para favelas vizinhas à Cidade de Deus. Deco é apontado pela polícia como o mentor dessa expansão. 

A operação policial deixou 6 mil alunos sem aulas, de escolas estaduais, municipais, e creches. Nas redes sociais, moradores relataram momentos de pânico, com troca de tiros intensas e paredes perfuradas. Eles também publicaram imagens de casas completamente reviradas em revistas policiais. Pelo menos um morador foi baleado. Antônio Jorge Pereira, de 49 anos, foi ferido no ombro e levado para o Hospital Geral de Bonsucesso. Seu estado de saúde é considerado estável.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.