Presos três acusados de matar diretor de jornal de Nova Iguaçu

José Roberto Ornelas Lemos foi morto dentro de uma padaria em 2013; a vítima tinha 47 anos e foi morta com mais de 40 tiros

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 20h20

RIO - Após investigação em parceria com o Ministério Público, a Polícia Civil do Rio prendeu nesta quarta-feira, 4, três acusados de participar do homicídio de José Roberto Ornelas Lemos, diretor e filho do dono do jornal "Hora H", de Nova Iguaçu (Baixada Fluminense) e conhecido como Beto do Hora H. O crime ocorreu em 11 de junho de 2013, dentro de uma padaria no bairro do Corumbá, em Nova Iguaçu. A vítima tinha 47 anos e foi morta com mais de 40 tiros, 16 deles à queima-roupa.

São acusados pelo crime Vanderson da Silva, de 27 anos, Braulino Brejeiro Fernandes, de 30 anos, e Celso Henrique Batista Ribeiro, de 40. Segundo a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, eles integram uma milícia chefiada pelo policial militar Leonardo de Souza Moreira, de 31 anos, que atuava no 20º Batalhão (Mesquita) e também foi preso. Para a Polícia Civil, Beto foi morto porque, nascido e criado no bairro, impedia o grupo de milicianos de se instalar naquela região. 

Ribeiro teria marcado um encontro com a vítima, para atraí-la até a padaria, situada na Avenida Eduardo Pacheco Vilena. O acusado não apareceu, mas Silva e Fernandes foram até o estabelecimento comercial e mataram Beto. Os policiais acreditam que há outros envolvidos no crime, ainda não identificados.

Após a morte de Beto, esse grupo de milicianos dominou os bairros de Corumbá, Adrianópolis, Santa Rita e Vila de Cava, todos em Nova Iguaçu. Segundo a investigação, os criminosos praticam homicídios, extorsões e ameaças, além de cobrar por um serviço pirata de TV a cabo.

Na mesma operação foram presos Hugo Moreira, de 62 anos, e Rogério Pereira de Souza, de 42, também acusados de integrar a milícia chefiada pelo PM. Eles são acusados de matar Elias de Souza Félix, de 48 anos, em agosto de 2014. Outro acusado por esse crime está foragido.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.