Professores do Rio decidem manter greve

Grupo seguirá em passeata até a Igreja da Candelária, no centro; categoria reivindica 20% de reajuste salarial

Thaise Constâncio,

05 de junho de 2014 | 15h59

RIO - Os profissionais da educação das redes estadual e municipal do Rio decidiram manter a greve iniciada no dia 12 de maio. O grupo seguirá em passeata até a Igreja da Candelária, no centro, e passará na frente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). 

A categoria reivindica 20% de reajuste salarial para todos os funcionários, destinação de um terço da grade para planejamento das aulas e 30 horas semanais para os funcionários.

A próxima assembleia será no dia 13 de junho, após o início da Copa do Mundo. Os grevistas planejam um cronograma com atos diários até a data da nova reunião. No mesmo dia, está prevista uma audiência no Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) com representantes do sindicato, do governo e a mediação da desembargadora Leila Mariano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.