FABIO MOTTA / ESTADÃO / 12-3/2019
FABIO MOTTA / ESTADÃO / 12-3/2019

Promotoras que se afastaram do caso Marielle deveriam ter buscado instâncias formais, diz governador

Simone Sibílio e Leticia Emile deixaram força-tarefa que investiga o assassinato da vereadora; para Cláudio Castro, elas poderiam ter procurado a Corregedoria da Polícia Civil e a PGE para denunciar eventuais problemas

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2021 | 14h25

O governador do Rio, Cláudio Castro (PL), afirmou que as promotoras que pediram afastamento do caso Marielle Franco na semana passada deveriam ter usado as instâncias formais para denunciar eventuais problemas na condução da investigação do assassinato da vereadora do PSOL, em março de 2018.

No último sábado, as promotoras de Justiça Simone Sibílio e Leticia Emile anunciaram o afastamento da força-tarefa do Ministério Público do Estado do Rio, que investiga o assassinato de Marielle e de seu motorista, Anderson Gomes. Oficialmente não houve justificativa para o afastamento. No entanto, a informação que vem circulando é de que as promotoras estariam sofrendo pressões de autoridades superiores.

“Eu não me meto em investigação nenhuma; cobro para que sejam solucionadas, mas não me meto”, garantiu o governador. “Se as promotoras tinham algum problema com o Allan Turnovski (secretário de Polícia Civil), elas tinham a Corregedoria da Polícia Civil e a PGE (Procuradoria Geral do Estado). Deveriam ter usado as instâncias formais para fazer denúncias. Se não o fizeram, não me cabe comentar. Vira ilação. Não comento ilação.”

Cláudio Castro frisou que não tem acesso ao processo, que corre em segredo de Justiça, e que, por isso, não tem como falar nada sobre a investigação ou resolução do crime, além de fazer uma cobrança institucional.

“Eu não tive acesso ao processo, não tenho como dizer se vai ter a resposta que a família quer, que a imprensa quer, que o partido quer”, afirmou. “O processo corre em segredo de Justiça, então seria um crime se eu soubesse de algo; ou então eu estaria enganado, fazendo bravata, o que não é do meu perfil.”

O governador respondeu também à queixa da Anistia Internacional de que não conseguiu, até hoje, marcar um encontro com a família de Marielle Franco. Segundo Cláudio Castro, um encontro está sendo marcado e a data deve ser anunciada nos próximos dias.

“Gostaria de lembrar que fui colega de Marielle na Câmara dos Vereadores e que conheço sua família”, frisou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.