WILTON JUNIOR / ESTADÃO
WILTON JUNIOR / ESTADÃO

Quantidade de homicídios no Rio é a menor desde 1991; letalidade policial é a maior desde 98

Dados foram divulgados nesta terça por órgão do governo do Estado. No total, 3.995 pessoas foram assassinadas e outras 1.810 foram mortas em ações da polícia

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2020 | 21h52

RIO - O ano de 2019 registrou dois recordes na área da segurança pública no Estado do Rio de Janeiro: o menor número de homicídios dolosos (intencionais) desde o início da série história, em 1991, e o maior número de mortos em confronto com a polícia desde 1998, quando começou essa série histórica. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 21, pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão do governo estadual.

O número de homicídios dolosos no Estado caiu ao recorde mínimo: 3.995 pessoas foram mortas nessa situação em 2019 no Rio. No ano anterior haviam sido 4.950 ocorrências - em 2019 houve queda de 19,3% em relação a 2018, portanto. As maiores reduções percentuais no número de homicídios dolosos foram registradas em Resende (município da região sul fluminense), Santa Cruz (bairro da zona oeste do Rio), Botafogo (bairro da zona sul do Rio), Japeri, Queimados (ambos municípios da Região Metropolitana) e Angra dos Reis (município da Costa Verde fluminense).

De janeiro a dezembro, porém, foram 1.810 mortos pela polícia, durante supostos confrontos. Isso corresponde a quase cinco casos por dia. O número de mortos pela polícia está aumentando desde 2014. Em 2013, 416 pessoas foram mortas pela polícia - o menor número da série. Desde então, o número só cresce: 584 em 2014 (aumento de 40,3% em relação ao ano anterior), 645 em 2015 (aumento de 10,4% em relação a 2014), 925 em 2016 (crescimento de 43,4% em relação ao ano anterior), 1.127 em 2017 (21,8% a mais do que em 2016), 1.534 em 2018 (aumento de 36,1% em relação ao ano anterior) e 1.810 em 2019 (17,9% a mais em relação a 2018).

Os 1.810 mortos em 2019 representam mais de quatro vezes o número de mortos em 2013 - quando foi registrado o recorde mínimo.

Apesar do crescimento anual, nos últimos meses de 2019 o número de mortos pela polícia caiu. Em julho foi registrado o recorde mensal, com 195 casos, e a partir daí eles caíram para 173 (agosto), 154 (setembro), 144 (outubro), 135 (novembro) e 124 (dezembro).

Estado teve intervenção na segurança e violência foi tema central em eleição

Nos últimos anos, o Rio tem vivido grave crise na segurança pública, o que levou o governo federal, na gestão de Michel Temer, a decretar uma intervenção federal nessa área ao longo de 2018. Nessa época, o Exército ficou responsável por comandar as políticas de segurança.

Naquele mesmo ano,  o atual governador Wilson Witzel (PSC) foi eleito, tendo o combate à violência como uma de suas principais bandeiras. Defensor de uma política agressiva contra o crime, ele chegou a sugerir, em entrevista ao Estado, o uso de snipers contra bandidos. "A polícia vai mirar na cabecinha e...fogo!”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.