WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Reintegração no Jardim Botânico tem confronto da PM com moradores

Corporação usou balas de borracha e gás pimenta para executar mandado; famílias alegam que vivem no local há décadas

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2016 | 12h39

Policiais militares e moradores da Comunidade do Horto, no Jardim Botânico, zona sul do Rio, entraram em confronto nesta segunda-feira, 7, durante o cumprimento de um mandado judicial de reintegração de posse de um imóvel. Agentes do Batalhão de Choque usaram balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta contra os manifestantes. Pelo menos quatro moradores foram feridos por balas de borracha e precisaram ser atendidos por bombeiros.

Há pelo menos 520 famílias no local. A justificativa da União, dona do terreno, ao mover ações de reintegração de posse, é o interesse ambiental e a defesa de um perímetro do Jardim Botânico. Os moradores apresentaram, em 2008, um projeto de regularização fundiária. Nesta segunda, por medida de segurança, o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio decidiu não abrir. Por meio de nota, o instituto informou que apenas cumpriu decisão judicial de processo iniciado nos anos 1980 e “cujo trânsito em julgado ocorreu há quase dois anos”.



A PM chegou ao portão da comunidade por volta das 8 horas. Os moradores fizeram um bloqueio na entrada, sentando em cadeiras enfileiradas. Eles também atearam fogo em troncos de árvores e deitaram na rua, que corta um trecho de Mata Atlântica, para impedir a entrada dos policiais. A tensão aumentou e, por volta de meio-dia, o Batalhão de Choque entrou no terreno.

Houve resistência quando policiais fizeram escolta para um caminhão de mudanças estacionar na frente da casa de Marcelo de Souza, de 41 anos, que seria despejado. Depois de cerca de uma hora de conversa com oficiais de Justiça, advogados e policiais, o homem aceitou sair do local. Ele morava com a mulher, Bethânia de Souza, e um filho de 15 anos. O imóvel era de familiares de Souza, ex-funcionários do Instituto Jardim Botânico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.