Thiago Lontra/Agência O Globo
Thiago Lontra/Agência O Globo

Restaurantes atingidos por explosão não eram ligados à rede de gás

Estabelecimentos usavam cilindros de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP); há suspeita de que um vazamento tenha causado o acidente

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2015 | 16h26

A Companhia Estadual de Gás (Ceg), companhia responsável pela rede de gás encanado no Rio de Janeiro, informou nesta segunda-feira, 19, que a pizzaria Dell'Arco e o restaurante Ipueiras, destruídos por uma explosão, na madrugada desta segunda-feira, 19, em São Cristóvão (zona norte), não eram clientes da empresa. 

Os dois estabelecimentos usavam cilindros de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), embora na região esteja instalada a rede de gás natural encanado. Há suspeita de que vazamento de gás tenha causado o acidente. Até o momento, porém, não há consenso entre as autoridades sobre obrigatoriedade ou não de os restaurantes estarem ligados à rede. 

O subsecretário de Defesa Civil, tenente coronel Márcio Motta, disse que a utilização de GLP em locais abastecidos pela rede é irregular e que o Corpo de Bombeiros e a Ceg devem aplicar as punições cabíveis. 

A Ceg e a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico (Agenersa) informaram que não podiam confirmar a obrigatoriedade ou não de estar ligado à rede. A empresa e a agência disseram que tratam apenas da rede encanada e não têm a atribuição de determinar quais estabelecimentos comerciais e residências sejam ligados à rede compulsoriamente. O Corpo de Bombeiros ainda não respondeu ao pedido de esclarecimento da reportagem.

O gerente da Câmara de Energia da Agenersa, Jorge Calfo, que esteve no local do acidente no início da manhã, disse ao Estado que poderia apenas confirmar que os dois restaurantes não estão ligados à rede da Ceg.  

O Código de Segurança contra Incêndio e Pânico (decreto estadual 897, de 1976) diz, no artigo 144, que "nas edificações dotadas de instalações internas situadas em ruas servidas por gás canalizado não será permitida a utilização de gás tem botijões ou cilindros". Não há ainda confirmação se os dois restaurantes já tinham as instalações necessárias para estarem ligados à rede. 

Técnicos ouvidos pelo Estado disseram que há uma dúvida sobre a aplicação da lei, porque o artigo 143 diz que o GLP pode ser usado em prédios com mais de cinco unidades habitacionais e "com destinação recreativa, hoteleira, comercial ou a qualquer outra que estimule ou provoque a concentração de público", desde que o botijão ou cilindro sejam instalados "no pavimento térreo e do lado de fora da edificação".

Vizinhos reclamaram que os restaurantes armazenavam cilindros de gás e disseram que sentiam cheiro de gás. Peritos vão tentar esclarecer onde e como os cilindros eram guardados nos dois estabelecimentos comerciais. Segundo a Secretaria de Ordem Pública do município (Seop), a pizzaria e o restaurante têm alvarás (autorizações) de funcionamento e certificado do Corpo de Bombeiros. 

Pesquisador da Coordenação dos Programas de Pós-graduação em Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Moacyr Duarte, especialista em prevenção de riscos, diz que, nos locais onde há rede instalada, é sempre recomendável o uso de gás encanado, mais seguro que o GLP. Duarte diz que a fiscalização do uso de gás tem que ser modernizada. "O número de estabelecimentos cresce, tem que sofisticar a tecnologia de fiscalização. Tem que ser mais matemática, mais lógica", afirma. Segundo o pesquisador, um restaurante que use GLP tem, em geral, entre quatro e cinco cilindros. Se estiverem em ambiente fechado, no caso de vazamento, o gás se mistura com o ar, o que é uma combinação explosiva. 

Segundo o especialista, só quando os bombeiros conseguirem retirar os escombros será possível saber quantos cilindros estavam armazenados em cada restaurante. Os botijões têm capacidade para 13 quilos de GLP e cilindros, 45 quilos. 

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro explosão São Cristóvão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.