AFP
AFP

Réveillon da crise terá quatro minutos a menos de fogos em Copacabana

Virada do ano no Rio terá ainda um só palco para atrações musicais; prefeitura estima público de 2 milhões de pessoas

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

19 Dezembro 2016 | 21h16

O réveillon da crise terá quatro minutos a menos de fogos de artifício na praia de Copacabana: doze, contra dezesseis minutos dos anos anteriores. Também foi reduzido, de dois para um, o número de palcos a receber atrações musicais - a principal da noite será o show O Grande encontro, que reúne Elba Ramalho, Alceu Valença e Geraldo Azevedo. A expectativa de público da prefeitura do Rio, porém, não mudou: continua em 2 milhões de pessoas, como em edições passadas da festa.

A cidade espera 865 mil turistas no período do Ano Novo e um movimento de US$ 691 milhões (R$ 2,3 bilhões). Já o investimento da prefeitura será de R$ 5 milhões. A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih-RJ) estima que a ocupação hoteleira em Copacabana e Leme ficará em torno de 75,4%; em Ipanema e no Leblon, de 68%; na Barra, 60%.

Os fogos, detonados em onze balsas fundeadas no mar de Copacabana, serão assinados mais uma vez pela Pirotecnia Igual Brasil, e terão cores e formas de palmeiras, corações, margaridas e rostos felizes.

O palco será montando em frente ao hotel Copacabana Palace. DJs vão esquentar o público a partir das 19h30. Em seguida, o cantor Leo Jaime apresentará sucessos como "Nada mudou", "A fórmula do amor" e "As sete vampiras", além de covers. Elba, Alceu e Geraldo, que retomaram em setembro o Grande Encontro depois de 20 anos do lançamento do show,  vão cantar os sucessos da carreira, como "Banho de cheiro", "Qui nem jiló", "Anunciação", "Tropicana", "Táxi lunar" e "Dia branco". A madrugada será fechada pelas escolas de samba Unidos da Tijuca e Mangueira, a campeã do carnaval de 2016.

A prefeitura também promoverá espetáculos pirotécnicos na praia da  Barra da Tijuca, na zona oeste. No Parque Madureira, na Praia da Bica, na Ilha do Governador (zona norte), e no Parque do Flamengo (zona sul), os palcos terão samba e pop. No Piscinão de Ramos, funk e pagode, assim como no IAPI da Penha (zona norte). A Ilha de Paquetá, Sepetiba e Pedra de Guaratiba, na zona oeste, também serão contempladas com shows.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.