Fabiano Rocha / Agência O Globo
Fabiano Rocha / Agência O Globo

Rio: 15 crianças foram vítimas de bala perdida

Balanço é de 2018; caso mais recente foi de bebê atingido no colo da mãe na porta de escola

Roberta Jansen, Roberta Pennafort e Fabio Grellet, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2018 | 03h00

RIO - Atingido por uma bala perdida no ombro, o bebê Caíque de Carvalho, de 6 meses, foi a décima quinta criança alvejada em 2018 na região metropolitana do Rio, onde houve em média 24 disparos por dia no período, segundo o aplicativo Fogo Cruzado. Após ser baleado quando estava no colo da mãe na noite de anteontem, o bebê foi submetido a uma cirurgia e está fora de perigo. Ontem, o pai do garoto, Carlos Figueiredo, fez em uma rede social um desabafo contra a violência no Estado.

+ Polícia não sabe de onde partiu tiro que feriu bebê em escola

“Nem na escola e no aconchegante colo da mãe nossos filhos estão livres do perigo”, escreveu Figueiredo. Caíque foi baleado quando estava em um ambiente supostamente seguro, o Colégio São Vicente de Paulo, escola particular no Cosme Velho, zona sul. Na noite de anteontem, sua mãe o tinha nos braços enquanto esperava pelo irmão do bebê, de 6 anos. O garoto mais velho estava em uma aula de futebol. Ninguém relatou ter ouvido tiroteio próximo da escola.

A polícia ainda não sabe de onde partiu o disparo. O colégio fica a um quilômetro da Favela do Cerro Corá, mas não havia troca de tiros na comunidade no momento da ocorrência, segundo policiais. A escola também afirmou que não houve registro de ações envolvendo tiros no entorno. Ainda não se sabe de qual tipo de armamento veio o projétil.

Caíque está internado no Centro Pediátrico da Lagoa, onde foi submetido a cirurgia de mais de duas horas. O quadro é estável e ele movimenta os quatro membros. “A bala entrou pelo ombro e se alojou perto da medula, daí os cuidado para retirá-la”, afirmou Gina Sgorlon, diretora do Prontobaby, rede que controla o Centro Pediátrico. A família, abalada, não quis dar entrevista. 

Entre os pais de outras crianças do Colégio São Vicente, o ambiente ontem era de consternação e medo. “Uma bala perdida em casa ou numa escola assusta porque esses são territórios que consideramos sagrados, onde deveríamos estar todos protegidos”, disse Claudia Lamego, mãe de um aluno de 9 anos, que não foi à aula ontem. 

Em nota, o São Vicente disse estar em atividade há 59 anos e ter sido “abruptamente inserido no mapa da violência que assola o Estado do Rio”.

Números. Segundo o app Fogo Cruzado, entre 1.º de janeiro e as 11 horas de ontem, foram registrados 3.269 tiroteios ou disparos de armas de fogo na região metropolitana, média de um por hora. Foram relatados 596 mortos e 505 feridos no período. Em 484 casos, havia presença policial (em operações, ações e assaltos a agentes, por exemplo). O aplicativo analisa dados da violência armada e os divulga por meio de um mapa colaborativo. O bairro campeão de disparos entre janeiro e abril foi a Praça Seca, na zona oeste, com 120 registros. 

Em seguida, vem Cidade de Deus (108), na zona oeste; Complexo do Alemão (78), na zona norte e Rocinha (76),na zona sul carioca. O Cosme Velho é um bairro de classe média onde não são registradas ocorrências policiais com frequência. 

Em 16 de fevereiro, o governo federal decretou intervenção na segurança do Rio. Depois disso, as polícias estão sob comando das Forças Armadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.