Rio abre quarta tenda para hidratação de pacientes com dengue

Inicialmente, tenda teria capacidade para atender até 45 crianças, mas número foi ampliado para 120

Agência Brasil,

29 de março de 2008 | 15h08

A quarta tenda para hidratação de pacientes com dengue instalada no estado do Rio começou a funcionar neste sábado, 29, ao lado do Hospital Infantil Ismélia da Silveira, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A tenda é exclusiva para crianças encaminhadas pelo hospital pediátrico, que é referência no atendimento infantil na região.     Veja também:  Especial - A ameaça da dengue Embrapa desenvolve inseticida para morador usar em criadouro Juíza determina que SUS garanta vaga para doente Dengue atinge status de epidemia no Rio Temporão demonstra preocupação com dengue tipo 4 Epidemia de dengue ameaça 30 cidades do PaísCabral defende fechamento de hospital que pode tratar dengue   Inicialmente, a tenda teria capacidade para atender até 45 crianças, mas, segundo o secretário de Saúde do município de Caxias, Oscar Berro, o número de cadeiras foi ampliado para 120, devido ao aumento do número de casos de crianças infectadas nas últimas três semanas.   "A média de atendimento diário no Hospital Infantil Ismélia da Silveira era de 600 crianças com sintomas da doença, e agora são 1.200 atendimentos por dia. Tivemos que ampliar o número de cadeiras porque o hospital é a única unidade de referência pediátrica de toda a Baixada Fluminense e parte da zona oeste", explicou.   Berro lembrou, que a exemplo das outras três tendas instaladas pelo governo do estado no início da semana em Santa Cruz, Campo Grande e Jacarepaguá, na zona oeste da cidade, a de Caxias também só atende pacientes com dengue encaminhados pela rede pública de saúde do estado e que precisem de hidratação. "O papel das tendas é desafogar as urgências e emergências dos hospitais para que eles possam dar conta de outras doenças."   Segundo Berro, os municípios de Nova Iguaçu e São João de Meriti são os campeões de casos de dengue na Baixada, com mais de 1.500 notificações. Até agora, foram confirmadas 10 mortes pela doença na região, mas outras ainda estão sendo investigadas. Os exames de sangue feitos em pessoas com suspeita da doença são levados para os laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, e do estado, Noel Nutels, que liberam os resultados em uma semana.

Tudo o que sabemos sobre:
dengueepidemiaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.