Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Rio começa 2018 com violência nas favelas e um policial baleado

Moradores da Rocinha alertavam que o clima no primeiro dia de 2018 era tenso; houve confronto e tiroteio entre a PM e criminosos

Denise Luna, R|io de Janeiro

01 Janeiro 2018 | 12h33

O primeiro dia do ano no Rio de Janeiro começou com mais um tiroteio na Rocinha, na zona sul da cidade, e um ataque à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Jacarezinho, zona norte, onde um policial foi baleado. Segundo o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Jacarezinho, policiais foram atacados a tiros por criminosos ao assumirem o serviço na Rua Esperança, por volta das 6h desta segunda-feira, 01. Um policial foi baleado e socorrido para o Hospital Salgado Filho, no Méier, onde encontra-se internado,  com estado de saúde estável.

Também desde cedo, de acordo com a Polícia Militar, policiais militares da UPP e do Batalhão de Polícia de Choque faziam patrulhamento na comunidade da Rocinha, quando avistaram criminosos armados na localidade do Lajão.

+++ Rio de Janeiro receberá R$ 2 milhões do BNDES para o ano-novo

+++ Rio aposta no Réveillon para retomar turismo

Houve confronto e, segundo a PM, a ocorrência ainda está em andamento. Pelas redes sociais, moradores da Rocinha alertavam que o clima no primeiro dia de 2018 era tenso nas ruas da favela, e pediam para que os moradores não deixassem crianças saírem às ruas, por causa de tiroteios.  A PM está em ação continuada na Rocinha desde 18 de setembro, por conta da briga entre quadrilhas de traficantes.

A Polícia Militar informou  também que policiais militares do 2º Batalhão, em Botafogo, zona sul da cidade, foram acionados nesta manhã  pela UPA-Botafogo (Unidade de Pronto Atendimento), onde deu entrada um homem baleado. “Após consulta foi constatado que o ferido tem contra ele dois mandados de prisão por ter participado da invasão na Rocinha, além de  anotações criminais por tráfico de drogas na mesma comunidade”, informou a PM.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.