Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

'Rio é um laboratório para o Brasil', diz interventor

Sobre corrupção, o general Walter Braga Netto afirma ainda que a meta é 'fortalecer as corregedorias e tomar todas as medidas para que o mau policial seja penalizado'

Felipe Frazão e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2018 | 10h53

RIO - O interventor federal na segurança do Rio, general Walter Braga Netto, disse nesta terça-feira, 27, que o "Rio é um laboratório para o Brasil" no que diz respeito à integração das forças de segurança federais e estaduais, e que em seu gabinete há representantes de todos os órgãos do setor. Ele afirmou que a intervenção fará um "trabalho de gestão" da segurança pública, uma "janela de oportunidades" para o Estado e garantiu que não está prevista ocupação permanente de favelas conflagradas.

+++ Em 7 meses, Rio tem 17 operações e poucos resultados

Sobre o combate à corrupção, que seria uma tônica da intervenção, afirmou que a meta "é fortalecer as corregedorias e tomar todas as medidas para que o mau policial seja penalizado". Outro objetivo é devolver credibilidade ao bom policial. Os recursos utilizados são os do Estado, e o pagamento de salários atrasados é uma prioridade.

Segundo o general, que deu rápida entrevista coletiva nesta manhã, o foco da missão é recuperar "a capacidade operativa dos órgãos de segurança pública e baixar os índices de criminalidade de todo o Estado". Ele disse também que "a estrutura da segurança pública do Rio de Janeiro permanece a mesma" e que as ações ainda estão "em fase de estudos". 

+++  Em confrontos armados com a PM, dois criminosos morrem em menos de 24 horas no RJ​

"As Forças Armadas dão suporte para a polícia entrar na comunidade. Caberá a Polícia Civil com a ordem entrar para cumprir seu papel de captura", afirmou.

+++ Comando Militar foi surpreendido com decisão de intervenção no Rio

"A segurança pública do Rio de Janeiro não deixou de existir, ela passou por dificuldades. Num primeiro momento toda a sistemática da segurança no Rio vai ser mantida (sobre Unidades de Polícia Pacificadora, criadas em 2008 para retirar traficantes das favelas). As UPPs permanecem, mas temos uma necessidade de redirecionamento nessa área", disse ainda, ressaltando que não haverá mudança nas dinâmicas das operações neste momento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.