Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Rio tem ruas alagadas após chuva recorde para o mês de junho

Precipitação acumulada em um único dia do mês foi a maior dos últimos 20 anos, segundo prefeitura da capital fluminense

Bibiana Borba, O Estado de S. Paulo, e Lucas Gayoso, especial para o Estado

21 de junho de 2017 | 06h11
Atualizado 21 de junho de 2017 | 15h11

RIO E SÃO PAULO - Com mais de 300 milímetros acumulados nas últimas 24 horas, a capital fluminense registrou o recorde de chuvas dos últimos 20 anos para um dia do mês de junho. Em apenas oito horas, entre a tarde e o final da noite desta terça-feira, 20, choveu mais do que a média esperada para o mês em 11 estações pluviométricas. E a forte chuva provocou alagamento e transtorno em diversas regiões do Rio de Janeiro. A cidade está em estado de atenção desde as 23h45 de segunda-feira, 19.

No início da manhã, o trânsito ficou impedido em importantes vias da zona sul por causa de bolsões d'água. Foram registrados alagamentos na Avenida Borges de Medeiros, no Leblon, e a Avenida Epitácio Pessoa foi fechada no sentido Ipanema, na altura da Rua Tabatinguera. O sentido Rebouças estava em esquema de pare e siga. Às 8h16, o trânsito foi liberado no local.

Já a Lagoa Rodrigo de Freitas está com alerta de transbordo desde as 5h05. Também há possibilidade de transbordo no Canal Jardim de Alah, no Leblon. No Cosme Velho, um muro caiu e fechou a Rua Cosme Velho, na altura do Corcovado. A queda de uma árvore também interditou a Estrada da Pedra Bonita, na Gávea, em ambos os sentidos.

Bairros como o Jardim Botânico, Gávea e Botafogo também tiveram trechos críticos de alagamento durante a madrugada e o início da manhã. Às 9 horas, o trânsito foi liberado na Rua Jardim Botânico após escoamento da água.

A Avenida Gomes Freire, no centro, e a Rua Mem de Sá, na Lapa, também tiveram grande fluxo de água ocupando as calçadas.

Zona norte

Na zona norte, a Praça Varnhagen, na Tijuca, ainda registrava alagamento por volta das 9 horas. Ainda na madrugada, o Rio Maracanã chegou a transbordar. Na Rua Bento Ribeiro, uma árvore caiu na altura da Rua Coronel Audomaro Costa. Às 7h30, a Avenida Brasil tinha bolsões d'água na altura de Bonsucesso e na altura do elevado da Linha Vermelha, na pista sentido centro. 

No Alto da Boa Vista, foi registrado o recorde de chuva em um único dia do mês de junho dos últimos 20 anos. A Estrada da Vista Chinesa ficou interditada, e trechos do bairro tiveram a retenção por causa da queda de árvores.

Zona oeste

Na zona oeste, houve acúmulo de água em diversos pontos de Jacarepaguá e no Recreio das Bandeirantes. Há alagamentos na Avenidas das Américas, em ambos os sentidos, na altura do Shopping Barra World.

Com o trânsito intenso nas principais vias expressas do Rio, o Centro de Operações Rio (COR) recomenda que os motoristas sigam com cuidado por causa das pistas molhadas.

"Solicitamos à população que postergue o deslocamento pela próxima hora e permaneça em locais seguros, evitando trafegar por vias alagadas. As principais regiões que os motoristas devem evitar o deslocamento no momento são: Jardim Botânico, Maracanã, Catete, Laranjeiras e Grande Tijuca", informou o órgão.

Aviação

O Aeroporto Santos Dumont, na região central da cidade, opera com auxílio de instrumentos. Já o terminal internacional do Rio, o Galeão, está aberto para pousos e decolagens. Apesar do temporal, as estações do metrô funcionam normalmente para atendimento ao público.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia, a tendência é de que a chuva diminua ao decorrer do dia. No entanto, há risco de deslizamento nas áreas de risco da cidade.

Alerta em comunidades

A Defesa Civil acionou 14 sirenes em áreas de risco por causa das fortes chuvas. No Morro do Borel, na Tijuca, quatro sirenes tocaram alertando para o risco de deslizamentos de terra.

Elas também tocaram na comunidade Rio das Pedras (Jacarepaguá), Prazeres, Escondidinho e Vila Elza (Santa Teresa), Santa Alexandrina (Rio Comprido) e Guararapes (Cosme Velho).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.