Foto: Silvia Izquierdo|AP
Foto: Silvia Izquierdo|AP

Rio tem tiroteios em comunidades da zona sul na manhã de sábado

Rocinha, em São Conrado, e nas comunidades Pavão Pavãozinho e Cantagalo, na divisa entre Copacabana e Ipanema, moradores foram acordados com o barulho de disparos

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2017 | 10h58

RIO DE JANEIRO - A manhã de sábado começou tensa em pelo menos duas favelas do Rio, depois de uma sexta-feira marcada por tiroteios em bairros nobres da cidade como Lagoa e Laranjeiras, onde fica o Palácio Guanabara, sede do governo do Estado. Na Rocinha, em São Conrado, e nas comunidades Pavão Pavãozinho e Cantagalo, na divisa entre Copacabana e Ipanema, moradores foram acordados com o barulho de disparos.  

No Pavão-Pavãozinho o tiroteio começou bem cedo. Segundo o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Pavão/Pavãozinho/Cantagalo, policiais realizavam patrulhamento pela Rua Saint Roman, que dá acesso ao morro, quando criminosos armados entraram em confronto com a guarnição, por volta das 7h deste sábado. Até o momento, não há registro de presos ou feridos na ação. O policiamento foi intensificado na região.

+ Perseguição e tiroteio assustam moradores da zona sul do Rio

Na Rocinha, a Polícia Militar informou que, por volta das 9 horas, policiais estavam na entrada do Beco 199 quando bandidos atiraram em sua direção. De acordo com a corporação, não há relato de feridos. Os tiroteios levaram uma agência da Caixa a suspender suas atividades na comunidade, como mostra um comunicado colado à porta da agência e postado na página “Rocinha em foco”, no Facebook. O atendimento foi deslocado para uma agência em um shopping no bairro da Gávea.

A Rocinha vive em estado de alerta desde 17 de setembro, quando teve início uma briga entre facções rivais pelo comando da favela. O conflito armado teria começado por ordens do antigo chefe do tráfico no local, Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem. Preso desde 2011, ele teria dado ordens de dentro da cadeia em Porto Velho, Rondônia, para que aliados retomassem o controle do tráfico na região, hoje dominado por Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que está foragido. As Forças Armadas reforçaram a segurança do dia 22 de setembro ao dia 29. Na última semana as tropas retornaram para apoio pontual a duas operações da PM, que está com seu efetivo reforçado na favela.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.