Reprodução
Reprodução

Rio transfere dez traficantes para presídio federal no MS

Criminosos pertencem à facção que tentou invadir o Morro dos Macacos; ação visa desarticular novos ataques

Luciana Nunes Leal e Alfredo Junqueira, de O Estado de S.Paulo,

24 de outubro de 2009 | 10h04

Em resposta à onda de violência desencadeada por facções criminosas rivais, a Secretaria de Segurança do Estado transferiu neste sábado, 24, dez traficantes que estavam presos no Rio para o presídio federal de segurança máxima de Campo Grande (MS).

 

Veja também:

mais imagens Notícias de uma guerra não tão particular

link Quem são os presos transferidos

link Protesto reproduz cadáver em carrinho

link Conflito provocou 45 mortes em uma semana

link 'Eu estava em pânico', diz piloto do helicóptero

 

Os criminosos, chefes do tráfico em diferentes favelas da cidade, estavam no Complexo Penitenciário de Bangu (zona oeste) e foram levados separados em micro-ônibus da Polícia Militar até a base aérea do Galeão, onde embarcaram em um avião da Polícia Federal. Entre os transferidos, está Marcelo Soares de Medeiros, o Marcelo PQD, ex-chefe do tráfico no Morro do Dendê, na Ilha do Governador (zona norte).

 

Com os traficantes longe do Rio, o objetivo da Secretaria de Segurança é isolar os líderes e evitar que tenham contato com criminosos que estão soltos e planejem novas invasões. Nos presídios de segurança máxima, os criminosos ficam em celas separadas e são monitorados permanentemente.

 

Autorizada na noite de sexta-feira, 23, pelo Tribunal de Justiça, a transferência dos presos ocorreu oito dias depois da tentativa de invasão do Morro dos Macacos, em Vila Isabel (zona norte) por uma quadrilha rival. Um helicóptero da PM foi derrubado e três policiais morreram. Desde então, a polícia tem feito uma série de operações em busca dos responsáveis pelo ataque.

Além de Marcelo PQD, foram transferidos os seguintes traficantes: Nei da Conceição Cruz ("Nei Facão"); Cássio Monteiro das Neves ("Cássio da Mangueira"); Márcio Silva Matos ("Marcinho Muleta"); Roberto Ferreira Vieira ("Robertinho do Jacaré"); Jorge Alexandre Cândido Maria ("Sombra"); Fábio Pinto dos Santos ("Fabinho São João"); Ocimar Nunes Robert ("Barbosinha"); Claudecyr de Oliveira ("Noquinha") e Edgar Alves Andrade ("Doca").

Desde o início dos confrontos, 45 pessoas morreram. Na madrugada de sábado, três suspeitos de tráfico foram mortos durante confronto com policiais militares no bairro da Farrula, no município de Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Um bandido foi preso e disse que ele e os comparsas eram do Complexo do Alemão, na zona norte da capital, e se transferiram para a Baixada Fluminense depois que começou a guerra entre quadrilhas.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de Janeiroviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.