São João da Barra decreta emergência por causa de longa seca

São João da Barra decreta emergência por causa de longa seca

Nível baixo do Rio Paraíba do Sul provoca o avanço do mar e a salinização da água; abastecimento é constantemente interrompido

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2014 | 14h31

RIO - A prefeitura de São João da Barra, no Norte Fluminense, decretou situação de emergência por causa da estiagem e da seca na terça-feira, 11. Com o decreto, todos os órgãos municipais ficam autorizados a atuarem "em ações de resposta ao desastre e reabilitação do cenário e reconstrução", sob a organização da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil, afirmou o município em nota publicada no site oficial.

Por causa da longa estiagem e seca, o Rio Paraíba do Sul está abaixo do normal, o que favorece o avanço do mar e a salinização da água na região e obrigou a interrupção do abastecimento local diversas vezes.

"O 5º Distrito está sendo constantemente afetado pela falta de energia elétrica, o que vem impedindo o acionamento das bombas e, consequentemente, o abastecimento de água potável na região", afirmou o coordenador da Defesa Civil, Adriano de Assis.

Escolas, creches, postos de saúde, entre outros órgãos municipais têm sido abastecidos com caminhões pipa pagos pela prefeitura para garantir o funcionamento dos serviços básicos de saúde e educação. 
"Disponibilizamos, também, os poços artesianos para que a Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgoto) faça captação com auxílio de carros pipa para atender a rede de abastecimento da sede do município", disse o secretário municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos, Marcos Sá.

Nos próximos dias devem ser iniciadas as obras de dragagem de 600 metros do Rio Paraíba do Sul para 20 metros de largura média e 4 metros de profundidade.

A obra estava prevista para começar dias atrás, mas o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira pediu que a prefeitura de São João da Barra, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apresentem estudos sobre o impacto ambiental das intervenções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.