REUTERS/Pilar Olivares
REUTERS/Pilar Olivares

Sapucaí tem medidas de segurança para evitar novos acidentes

No ano passado, uma mulher morreu e 30 ficaram feridos após problemas com carros alegóricos

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

11 Fevereiro 2018 | 21h36

Quem já chegou à Sapucaí neste domingo, 11, para a abertura dos desfiles do Grupo Especial, notou as medidas de segurança implementadas pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) para evitar acidentes com carros alegóricos como os do ano passado, que deixaram uma radialista morta e mais de 30 feridos.

++ Escolas do Rio apostam em criatividade e reciclados para driblar crise na Sapucaí

No ponto em que um carro do Paraíso do Tuiuti se chocou, no início da pista, foi pintada uma faixa amarela para sinalizar que está proibido parar. Placas bilíngues (português e inglês) avisam: "Atenção! Área de circulação. Não pare na pista".

Este local é perigoso porque fica no começo da Marquês de Sapucaí, no setor 1, pouco depois da esquina com a Avenida Presidente Vargas, onde os carros, a cada ano mais robustos, fazem a curva para começar o desfile. Não raro quem os conduz tem dificuldade na manobra. No lado par, foi instalado um guarda-corpo.

++ Carnaval 2018: confira o horário de desfile de cada escola no Rio

No ano passado, um motorista do Paraíso do Tuiuti perdeu o controle da direção e atingiu a grade do setor 1. Estava chovendo e ele não tinha boa visibilidade da pista, por causa dos ornamentos da alegoria. O resultado foi uma morte e 20 pessoas feridas.

Quem costuma permanecer nestes pontos são profissionais da imprensa, bombeiros, integrantes das escolas e da Liesa, mas também foliões que conseguem credenciais para ver de perto a armação dos desfiles.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.