Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

Sargento do Exército é preso com 19 fuzis, 41 pistolas e cocaína

Militar flagrado na Rodovia Presidente Dutra, na divisa entre Rio e SP, era monitorado por serviço de inteligência da polícia

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2018 | 22h14

RIO - O sargento do Exército Renato Borges Maciel, de 40 anos, foi preso transportando 19 fuzis, 41 pistolas e 54 tabletes de cocaína, em um veículo com placa clonada, na Rodovia Presidente Dutra, na divisa entre os Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, na tarde desta quinta-feira, 18.

+++ Armas são vendidas até por WhatsApp

Maciel trabalhava em Foz do Iguaçu, no Paraná, de onde havia partido fardado rumo ao Rio com as armas e a droga, além de munições e carregadores. A carga é avaliada pela polícia em R$ 3 milhões. A polícia ainda não sabe quem receberia o material, no Rio. O veículo, registrado em nome de Maciel, tinha placas clonadas de um veículo oficial do Exército. O sargento estava sendo monitorado pelo serviço de inteligência da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Polícia Civil do Rio e do próprio Exército.

+++ Polícia apreende revólveres, pistolas e metralhadoras em carro na zona norte

Ao ser abordado pelos policiais, o sargento apresentou sua identidade funcional e, segundo a PFR, intimidou os policiais dizendo que estava a serviço militar. Mesmo assim, os policiais rodoviários iniciaram buscas pelo veículo e encontraram os materiais ilegais escondidos por diversas partes do carro.

+++ Com 61.619 assassinatos em 2016, Brasil tem ano mais violento da história

A ocorrência faz parte da Operação Égide, que reforça o policiamento nas rodovias federais do Estado do Rio, e foi registrada na Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), da Polícia Civil fluminense.

O sargento será indiciado por tráfico de drogas e de armas e pode ser expulso das Forças Armadas.

A reportagem não conseguiu localizar representes de Maciel que pudessem expor sua versão sobre a acusação.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.