Facebook.com/DRACO/IE
Facebook.com/DRACO/IE

Polícia deflagra nova operação contra quadrilha de milicianos que atuam no RJ

Foram expedidos 22 mandados de prisão preventiva e 29 de busca e apreensão

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 08h19

Policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (DRACO/IE) deflagraram nesta quinta-feira uma operação para desbaratar uma quadrilha de milicianos na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro.

Os agentes cumprem 22 mandados de prisão preventiva e 29 de busca e apreensão contra integrantes de uma milícia que atua em Jesuítas, no bairro de Santa Cruz, na zona oeste da capital, mas que expandiram em 2016 suas atividades criminosas para os municípios de Nova Iguaçu e Seropédica, na Baixada Fluminense.

A organização criminosa é liderada por Danilo Dias Lima, conhecido como Tandera. A quadrilha tem como principais fontes de renda a exploração de comerciantes através da cobrança de uma “taxa de segurança”, monopólio da distribuição de cigarros contrabandeados, exploração da distribuição clandestina de TV a cabo e comercialização de botijões de gás.

As investigações começaram em junho de 2017, quando milicianos atacaram a tiros policiais que patrulhavam a comunidade KM 32, em Nova Iguaçu. À época, foram apreendidos 15 veículos com placas "clonadas" e quatro armas de fogo, além de rádios comunicadores e coletes a prova de balas.

+ Justiça rejeita primeiros habeas corpus de suspeitos de integrar milícia no Rio

Três integrantes da organização morreram em confronto com policiais civis no início do mês, durante uma operação policial realizada no Sítio Três Irmãos , em Santa Cruz. Eles foram identificados como Anderson Santos, conhecido como Cheetos; Márcio Martins, conhecido como Tui, e Felipe Oliveira, conhecido como Cumbaca. Segundo informações da polícia, os três atuavam como seguranças de Tandera. Eles tinham mandados de prisão preventiva, decretados a partir de informações reunidas em investigações da Draco.

A operação desta quinta-feira, batizada de “Negócios Paralelos”,  tem o apoio de agentes da Subsecretaria de Inteligência ( Ssinte) da Secretaria de Segurança, da Delegacia de Homicídios da Capital (DH/Capital), da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/ MPRJ). Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Criminal de Santa Cruz e pela 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu.

+ Presos por integrar milícia no Rio são transferidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.