Google Street View
Google Street View

Segurança é suspeito de assaltar agência bancária na zona norte do RJ

Polícia Civil disse que a 19.ª DP (Tijuca) instaurou um inquérito para apurar o caso; banco Santander confirmou o roubo de R$ 700 mil do cofre do estabelecimento

Jéssica Otoboni, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 10h19

SÃO PAULO - Um segurança é suspeito de participar de um roubo a uma agência bancária localizada na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira, 9.

+ Criminosos explodem agências em duas pequenas cidades do interior

+ Bandidos explodem caixas eletrônicos em Nazaré Paulista

A Polícia Civil do RJ disse que as investigações estão em andamento na 19.ª DP (Tijuca), que instaurou um inquérito para apurar o caso. Uma das suspeitas é que o vigilante tenha sido coagido por criminosos a realizar o assalto ou que tenha sofrido algum tipo de distúrbio psicológico.

+ Rio registra duas explosões de caixas eletrônicos em menos de 24 horas

+ Bandidos explodem caixa eletrônico na zona sul do Rio

As autoridades tentam agora identificar o veículo que foi utilizado durante a ação. A Polícia afirmou que analisará as imagens das câmeras de segurança instaladas no local e ouvirá os depoimentos de alguns funcionários da agência.

O Santander confirmou o roubo de R$ 700 mil do cofre do estabelecimento e disse que “está colaborando com as autoridades". O banco ainda destacou "o profissionalismo e a forma equilibrada e madura dos funcionários da agência, durante e após o evento".

Relembre: Criminosos roubam carga de celulares avaliada em R$ 3,4 milhões no aeroporto do Galeão

O segurança é funcionário da empresa Sunset Vigilância, que explicou que está oferecendo toda assistência à família do suspeito, e garantiu que seu cliente “não sofrerá nenhum prejuízo”. “A Sunset possui seguro contra roubos e ressarcirá o banco de eventual perda patrimonial.”

A Sunset informou ainda que o vigilante serviu por cinco anos à Força Aérea Brasileira, mas que durante os seis meses em que esteve na companhia, “não apresentou qualquer tipo de comportamento inadequado aos padrões da empresa”.

O suspeito mora no bairro de São Cristóvão e, até o momento, seu paradeiro é desconhecido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.