Seis policiais são presos por envolvimento na morte de duas pessoas

Caso veio à tona porque a mulher de uma das vítimas foi à delegacia e garantiu que o marido não tinha envolvimento com o tráfico

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo - Atualizado às 18h40

27 de julho de 2014 | 16h58

RIO - Seis policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) dos morros da Coroa, Fallet e Fogueteiro, na região central do Rio, foram encaminhados neste domingo, 27, para o Batalhão Especial Prisional (BEP). Eles participaram de um tiroteio no morro do Fogueteiro, na tarde desse sábado, 26, que terminou com a morte de duas pessoas.

Os policiais Vinicius Castro Nascimento, Antônio Carlos Roberto, Adriano Costa Bastos, Raoni Santos Lima, Roberto do Nascimento Barreto e Cezar Rodrigo Pavão Duarte foram detidos. Eles serão investigados pelas mortes de Vitor Luiz Rodrigues, de 38 anos, e Rafael de Souza Azerbinato, de 23. Três fuzis e sete pistolas usadas pelos policiais foram apreendidas por policiais da 5ª Delegacia de Polícia (Mem de Sá), que investiga o caso.

O caso veio à tona, depois que a mulher de Rodrigues, Daniele Barbosa dos Santos, foi à delegacia e garantiu que o marido, que trabalhava como taxista, não tinha envolvimento com o tráfico. Ele foi encontrado em uma vala com quatro tiros na perna, um no abdômen e outro na cabeça. "Executaram meu marido", afirmou. Um policial ficou ferido no rosto por estilhaços de bala.

Pela versão apresentada pelos policiais, eles patrulhavam a localidade conhecida como Zigue-zague, por volta de 15h, e foram recebidos a tiros por criminosos. Rodrigues, dizem os PMs, teria morrido durante a troca de tiros e com ele teriam sido apreendidos uma pistola calibre 40, drogas, um rádio transmissor e um caderno de anotações para o tráfico.

Ainda segundo os agentes, pouco depois do confronto, eles foram informados que Azerbinato, havia sido levado por moradores para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, mas não resistiu aos ferimentos. No entanto, ainda não há informações sobre a forma como ele foi baleado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.