Ocupa Mendes / Reprodução / Facebook
Ocupa Mendes / Reprodução / Facebook

Sem consenso sobre ocupação, estudantes voltam a se confrontar no Rio

Alunos do Colégio Mendes de Moraes relataram troca de agressões dentro da unidade, ocupada desde o dia 21 de março

Alfredo Mergulhão, O Estado de S.Paulo

13 Maio 2016 | 16h36

RIO - Estudantes contra e a favor da ocupação das escolas voltaram a entrar em confronto no Rio, na tarde desta sexta-feira, 13. Alunos do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, zona norte, trocaram agressões dentro da unidade de ensino, a primeira a ser ocupada, no último dia 21 de março.

Imagens publicadas na página da ocupação, no Facebook, mostram o colégio cercado por estudantes que atiram pedras e pedem a saída dos invasores e a retomada das aulas. Um dos vídeos mostra um portão da escola arrombado, janelas e carteiras quebradas. 

Em nota sobre a tentativa de desocupação, o movimento estudantil que tomou o colégio acusa a Secretaria Estadual de Educação de articular a ação. "Vemos hoje no Mendes um cenário de guerra, vemos ação de jovens que não são mais do desocupa, são quase terroristas. Quebram e destroem seu próprio patrimônio", diz o comunicado.

O Desocupa Já nega envolvimento com o confronto e diz defender movimentos pacíficos para acabar com o impasse. "O movimento Desocupa Mendes apoia a democracia de forma pacífica. Entendemos que há ânimos exaltados, mas o diálogo é a nossa prioridade para resolver essa situação. Não aceitaremos qualquer acusação mentirosa", afirma nota também no Facebook. 

Os alunos já tinham entrado em confronto na terça-feira desta semana. Na ocasião, ao menos cinco pessoas ficaram feridas, com corte e hematomas. Após o conflito, as duas partes trocaram ameaças e acusações. 

A secretaria ainda não se pronunciou. O 17º Batalhão de Polícia Militar (BPM) foi acionado. Segundo a PM, a situação estava contornada quando os policiais chegaram ao local. Eles patrulham os arredores da escola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.