Marcelo Theobald / Agência O Globo
Marcelo Theobald / Agência O Globo

Sem faxineiros, IML do centro do Rio para de receber corpos

Direção decidiu não receber mais corpos e passou a encaminhá-los para outra unidade, a 45 quilômetros da sede

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2016 | 22h19

RIO - Sem pagamento, os funcionários terceirizados responsáveis pela limpeza da sede do Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro, no centro da cidade, pararam de trabalhar. Por isso, nesta terça-feira, 7, a direção do órgão decidiu não receber mais corpos para necropsia. Os corpos que seriam levados para essa unidade passaram a ser encaminhados para o posto do IML em Campo Grande, na zona oeste. Essa unidade fica a mais de 45 quilômetros da sede.

Os funcionários responsáveis pela limpeza estavam sem receber havia três meses e em maio foram demitidos. Legistas chegaram a contratar faxineiros com dinheiro próprio, mas viram que a situação não iria mudar e desistiram. 

Em nota, a direção do IML afirmou que “em razão das condições insalubres para a realização das necropsias diante da ausência do serviço de limpeza no órgão, o Departamento Geral de Polícia Técnico-Científica determinou que o procedimento pericial fosse realizado em outra unidade - Campo Grande - até que o serviço de limpeza seja regularizado”.

Ainda conforme a nota, os corpos que haviam dado entrada na unidade central, quando a decisão foi adotada, foram submetidos normalmente à perícia.

Thiago Lacerda. Pessoas que estiveram na sede do IML, porém, narraram em redes sociais que tiveram dificuldades para liberar corpos de familiares. Nesta terça, havia sete corpos para serem submetidos a necropsia e o trabalho, segundo esses relatos, só teria sido acelerado quando o ator Thiago Lacerda chegou para cobrar a liberação do corpo de um familiar.

Então, teria havido uma mobilização para fazer a necropsia dos corpos ainda presentes na unidade. “A gente presenciou aqui basicamente a situação que o povo vive, né? A falta de condições de trabalho e a maneira como a gente precisa estar atenta e cobrar do Estado que tome as medidas necessárias para que a gente seja atendida. O povo merece ser atendido, merece ser cuidado”, reclamou o ator.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.