Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Sem informar números, Marun diz que violência caiu no Rio

Ministro citou apreensão de armas e cocaína no porto e arriscou prazo de 70 dias para investigações do caso Marielle

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 21h24

RIO - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o governo federal tem "muito a comemorar" na área de segurança, no Rio de Janeiro, apesar do assassinato da vereadora Marielle Franco, na última quarta-feira, 14

+++ Marun: Morte de Marielle mostra que governo está no caminho certo com intervenção

Como exemplo, citou a recente apreensão de armas e de um volume recorde de cocaína, no Porto do Rio. Disse ainda que estatísticas "internas" mostram que a violência no Estado diminuiu desde que foi decretada intervenção no Estado. Ele não informou, no entanto, a quais estatísticas se referiu.

+++ Morte de Marielle faz Temer cancelar balanço de um mês de intervenção

"Só um imbecil poderia achar que em um mês (de intervenção federal) poderíamos viver num Rio de Janeiro onde não acontecessem assassinatos", afirmou, após encontro com o interventor, general Braga Neto. 

+++ Temer manda Jungmann ao Rio para acompanhar investigação de morte de Marielle

Segundo o ministro, "a guerra contra o banditismo é uma prioridade para o governo federal". Por isso, os recursos serão liberados "no devido tempo". Marun disse não participar das discussões sobre valores e que não está a par das investigações do assassinato de Marielle.

Ainda assim, arriscou um prazo de conclusão das investigações. "Sessenta a 70 dias é o prazo que têm demandado as investigações de crises mais difíceis. Tenho convicção de que nesse prazo, ou em até menos, possamos comemorar o esclarecimento desses brutais assassinatos", disse na saída do Centro Integrado de Comando e Controle  (CICC).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.