WILTON JUNIOR/ESTADãO
WILTON JUNIOR/ESTADãO

Senadores pedem que PF atue nas investigações da morte de Marielle

Chefe da Polícia Civil do Estado do Rio, Rivaldo Barbosa, disse que receberá a ajuda de 'quem quiser ajudar', mas que a instituição possui capacidade para resolver o caso

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 13h34

BRASÍLIA. Senadores devem apresentar um pedido ao governo para que a Polícia Federal (PF) atue oficialmente nas investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Fraco (PSOL), morta na noite desta quarta-feira, 14, no Rio de Janeiro. Neste quinta-feira, 15, o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) afirmou que colocou a PF à disposição. O chefe da Polícia Civil do Estado do Rio, Rivaldo Barbosa, disse que receberá a ajuda de "quem quiser ajudar", mas que a instituição possui capacidade para resolver o caso.

+ Temer manda Jungmann ao Rio para acompanhar investigação de morte de Marielle

Após um apelo do senador Jorge Viana (PT-AC), o vice-presidente da Casa, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que presidia a sessão do plenário, reforçou que o Senado "tem que formalizar essa recomendação". "Nós vamos formalizar a solicitação de Vossa Excelência, nós temos que formalizar esse apelo, para que a Polícia Federal colabore nas investigações, mas já havia a manifestação do próprio Ministro Raul Jungmann no sentido de que a Polícia Federal entre nas investigações", respondeu Cunha Lima. 

Viana avaliou que o "pior dos mundos" seria o País não adotar as medidas necessárias para esclarecer o caso. "Nós podíamos pedir, formalmente, como Senado Federal, tendo em vista que uma Parlamentar foi assassinada, não importa se é Vereadora, Deputado, Senador, uma parlamentar, foi a democracia que foi atingida e acho que todos os parlamentares do Senado que atuam no Rio estão em risco. Todos os Deputados e Deputadas estão em risco, porque agora nós não sabemos o que pode acontecer", pediu Viana.

+ Freixo aponta "características de execução" em morte de Marielle

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) sugeriu que a presidência da Casa ligue para o ministro da Segurança Pública para repassar as manifestações feitas hoje no plenário pelos parlamentares. "Queremos que a família dessa nossa colega que faleceu ontem, vítima desse atentado, como tudo indica, pelo menos tenha a lembrança e a percepção de que os criminosos foram identificados. Ao mesmo tempo, não deixar de citar também a família do motorista Anderson, que perdeu um ente querido", afirmou Buarque, fazendo referência ao motorista que conduzia o veículo e também foi assassinado.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) destacou a declaração de Jungmann de que colocaria a PF à disposição e disse ele fará "a coordenação e o planejamento investigatório usando constitucionalmente, legalmente, a Polícia Federal como órgão independente e republicano para fazer uma apuração que seja absolutamente condizente com o que quer a população brasileira".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.