Sindicato diz que sinalização precária causou choque de trens

Em 10 dias, uma comissão instaurada pela Supervia vai dizer as causas do acidente

Clarissa Thomé, Estadão

31 de agosto de 2007 | 09h03

O presidente do Sindicato dos Ferroviários do Rio de Janeiro, Valmir Lemos, disse que o acidente que matou oito pessoas e deixou 101 feridas, em Nova Iguaçu, na quinta-feira, aconteceu por problemas de sinalização. "Nós fazemos essa denúncia há anos: a manutenção da via férrea é precária." Em dez dias, uma comissão instaurada para investigar o acidente deve dizer quais os motivos para o choque.   Veja também: Veja local do acidente  Laudo do choque de trens sai em 10 dias Concessionária já foi multada duas vezes Veja outros acidentes no Brasil e no mundo    O diretor de Operações da Supervia, João Gouvêa, disse que só após a perícia será possível identificar as causas do choque. "Os dois maquinistas não faleceram e serão úteis para esclarecer o que houve. O laudo deve sair em dez dias. Só então saberemos detalhes como a velocidade das composições."   Um dos trens tinha cerca de 400 passageiros e o outro estava vazio. De acordo com a Supervia, concessionária da via férrea, o trem WP-908 atravessava da linha 1 para a linha 2 quando foi abalroado pelo trem de passageiros prefixo UP-171. O choque foi tão forte que o último vagão do WP-908 descarrilou. Os dois primeiros carros do outro trem também saíram dos trilhos. Muitas pessoas ficaram presas às ferragens.   O UP-171 tinha partido às 15h10, da quinta, da Central do Brasil rumo a Paracambi. O acidente ocorreu a cerca de 200 metros da Estação de Austin. Moradores das redondezas, ao ouvirem o estrondo, correram para o local e socorreram as vítimas em estado menos grave, levadas de carro a hospitais próximos.   Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Pedro Machado, as dificuldades de resgate foram grandes. "Anoiteceu rápido e foi preciso trazer geradores. Acidentes na via férrea são complicados porque o local é de difícil acesso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.