Sindicato diz que sinalização precária causou choque de trens

Em 10 dias, uma comissão instaurada pela Supervia vai dizer as causas do acidente

Clarissa Thomé, Estadão

31 Agosto 2007 | 09h03

O presidente do Sindicato dos Ferroviários do Rio de Janeiro, Valmir Lemos, disse que o acidente que matou oito pessoas e deixou 101 feridas, em Nova Iguaçu, na quinta-feira, aconteceu por problemas de sinalização. "Nós fazemos essa denúncia há anos: a manutenção da via férrea é precária." Em dez dias, uma comissão instaurada para investigar o acidente deve dizer quais os motivos para o choque.   Veja também: Veja local do acidente  Laudo do choque de trens sai em 10 dias Concessionária já foi multada duas vezes Veja outros acidentes no Brasil e no mundo    O diretor de Operações da Supervia, João Gouvêa, disse que só após a perícia será possível identificar as causas do choque. "Os dois maquinistas não faleceram e serão úteis para esclarecer o que houve. O laudo deve sair em dez dias. Só então saberemos detalhes como a velocidade das composições."   Um dos trens tinha cerca de 400 passageiros e o outro estava vazio. De acordo com a Supervia, concessionária da via férrea, o trem WP-908 atravessava da linha 1 para a linha 2 quando foi abalroado pelo trem de passageiros prefixo UP-171. O choque foi tão forte que o último vagão do WP-908 descarrilou. Os dois primeiros carros do outro trem também saíram dos trilhos. Muitas pessoas ficaram presas às ferragens.   O UP-171 tinha partido às 15h10, da quinta, da Central do Brasil rumo a Paracambi. O acidente ocorreu a cerca de 200 metros da Estação de Austin. Moradores das redondezas, ao ouvirem o estrondo, correram para o local e socorreram as vítimas em estado menos grave, levadas de carro a hospitais próximos.   Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Pedro Machado, as dificuldades de resgate foram grandes. "Anoiteceu rápido e foi preciso trazer geradores. Acidentes na via férrea são complicados porque o local é de difícil acesso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.